Ato em memória de Tim Lopes pede prisão de Maluco

Dezenas de pessoas se reuniram nesta sexta-feira à tarde no Largo da Carioca, no centro do Rio, para mais uma manifestação em memória do jornalista Tim Lopes, da Rede Globo, morto há dois meses. O ato teve como objetivo pressionar as autoridades para que o traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, principal acusado da morte de Lopes, seja preso.De manhã, foi realizada uma operação no conjunto de favelas do Alemão, zona norte, onde o jornalista foi executado, mas ninguém foi detido. Às 12h30, uma missa foi rezada no Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca. O ato foi organizado pela comissão de jornalistas criada para acompanhar as investigações do caso e pelo sindicato da categoria e contou com a presença de amigos de Tim Lopes e familiares.Esta foi a 7ª manifestação realizada desde que o jornalista foi assassinado, quando fazia uma reportagem sobre bailes funk promovidos por traficantes. Em meio à multidão, algumas pessoas levantavam cartazes com a foto e o nome de parentes desaparecidos. ?Não vamos deixar o assunto morrer. O movimento quer também ajudar a identificar as ossadas que foram encontradas junto com as de Tim e ainda dar espaço para as famílias que tiveram parentes desaparecidos poderem falar?, disse Beth Costa, integrante da comissão de jornalistas.Ela informou que um livro sobre a vida e a morte do repórter está sendo preparado para novembro, mês de seu aniversário. Dossiê Tim Lopes vai contar ainda outros casos de jornalistas mortos por fazer reportagens investigativas.Adélia Isabel Reis Moura, que procura a filha Elisângela, de 26 anos, desaparecida desde janeiro deste ano, esteve na manifestação. ?Só depois que começaram as manifestações para o Tim é que tive espaço para pedir ajuda.? O presidente do Sindicato de Jornalistas, Nacif Elias, disse que os protestos não vão parar, mesmo depois da prisão de Elias Maluco.No dia 8 de setembro, outro ato será realizado, desta vez na Vila Cruzeiro, favela onde Lopes foi capturado antes de ser assassinado. Os organizadores esperam a presença da governadora do Estado, Benedita da Silva, do prefeito César Maia e até do presidente Fernando Henrique Cardoso.Neste domingo, moradores do Méier, na zona norte, vão às ruas pedir paz. Nesta sexta-feira, policiais voltaram ao Alemão para continuar as buscas a Elias Maluco, mas ninguém foi preso. A operação contou com o auxílio de um helicóptero.Além de Elias, os outros três bandidos que participaram da execução estão em liberdade ? André da Cruz Barbosa, o André Capeta, Maurício de Lima Matias, o Boizinho, e Anderson Marins de Carvalho, o Ratinho. Vinte e um traficantes ligados a Elias Maluco já foram presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.