Ato marca 10 anos da morte de Toninho do PT

Cerca de 70 pessoas participaram ontem, na Avenida Mackenzie, em Campinas, de um ato ecumênico que marcou o décimo aniversário da morte do prefeito da cidade, Antonio da Costa Santos - o Toninho do PT. O ato ocorreu no mesmo ponto em que, na noite de 10 de setembro de 2001, o prefeito foi assassinado a tiros, dentro de seu Palio, pouco depois de deixar o Shopping Iguatemi. Até hoje não se sabe quem o matou.

Tatiana Fávaro / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2011 | 00h00

As homenagens a Toninho continuam hoje, com um ato público às 9 horas, na Catedral Metropolitana - contra a omissão das autoridades no caso - e, às 19h30, com missa e apresentação da Orquestra Sinfônica de Campinas

Os 10 anos do episódio começaram a ser lembrados, na verdade, já na terça-feira, quando a viúva de Toninho, Roseana Garcia, foi a Brasília pedir ao governo que as investigações sejam transferidas para a Justiça federal. Se não o conseguir, ela pretende recorrer à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (da OEA), para esclarecimento do crime. Roseana diz não ter dúvidas de que foi um crime político.

PF no caso. Em Brasília, ela discutiu com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a possibilidade de a Polícia Federal entrar no caso. Depois, esteve com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. "A PF pode cooperar no caso, mas como estamos em uma república, deve haver uma conversa com o governo de São Paulo. Pedimos que o ministro tivesse essa conversa", explicou Roseana. "O procurador-geral precisa enviar o pedido de federalização ao Superior Tribunal de Justiça."

Até hoje, como lembrou Roseana, houve um único caso de federalização de um processo estadual: a morte de um advogado pernambucano, em 2009. "Mas o caso de Antônio é emblemático, é um atentado contra a democracia", justifica a viúva.

Em 2001, o caso começou a ser investigado pela Polícia Civil de Campinas e pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). O Ministério Público Estadual chegou a apontar a quadrilha do seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, como responsável pelo assassinato, mas o juiz José Henrique Torres não aceitou a denúncia. Um recurso ao Tribunal de Justiça foi derrotado e, no fim do ano passado, as investigações foram reabertas.C

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.