Ato marca um ano do assassinato de adestrador por "carecas"

Um ato realizado nesta terça-feira à noite na Praça da República, região central da capital, marcou a passagem de um ano da morte do adestrador de cães Edson Neris da Silva por 18 skinheads do grupo "Carecas do ABC".O evento, organizado pela Associação da Parada GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros), reuniu 100 pessoas, segundo os organizadores. Para a Polícia Militar, eram 50.No dia 13, seis skinheads serão julgados por júri popular. "Isso é inédito na história de crimes dessa natureza contra um homossexual", afirmou Roberto de Jesus, presidente da GLBT. O julgamento acontecerá no 1º Tribunal do Júri da Capital, na Barra Funda, zona oeste, presidido pelo juiz José Ruy Borges Pereira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.