Ator que invadiu Projac é neto do presidente do Corinthians

O ator e desenhista Ricardo Ackel Dualib, de 29 anos, que tentou invadir a Central de Produção da TV Globo, o Projac, na manhã desta terça-feira, 25, é neto do presidente do Corinthians, Alberto Dualib. Ricardo, que atuou como figurante na novela Cobras e Lagartos, chegou à portaria do Projac, em Jacarepaguá (zona oeste), tirou a roupa, deu quatro tiros para o alto, fez refém um dos bombeiros da empresa e invadiu os jardins e uma das unidades de edição. Eram 9h45 e ele foi contido minutos depois por quatro seguranças. Ele está detido desde o final da manhã na 32ª DP, no Taquara, Rio, e ainda hoje será encaminhado para a Polinter (Polícia Interestadual).Além da pistola calibre 9 milímetros com a qual fez os disparos, o rapaz trazia um caderno com histórias em quadrinhos desenhadas e dizia querer mostrar aos diretores da Globo. Depois de contido, ele foi levado por policiais militares para a 32ª Delegacia de Polícia, na Taquara, onde foi autuado por porte ilegal de arma e tiros a esmo. Dualib disse na delegacia que tinha vindo se São Paulo porque queria convencer a direção de Rede Globo a usar desenhos feitos a mão, como os dele, e não computação gráfica, como acontece na maioria das vinhetas atualmente no ar. Ele disse também que a arma pertencia a seu irmão. No entanto, a emissora divulgou uma nota informando que ele é ator e fez figuração no início das gravações da novela Cobras e Lagartos, que está no ar às 19 horas. Segundo a nota, ele chegou "dizendo coisas desconexas e manifestando a intenção de atirar numa das câmeras do estúdio." Ninguém ficou ferido, apesar de a portaria da emissora estar cheia na hora do incidente. Artistas da emissora, como Cássio Gabus Mendes, Juca de Oliveira, Cristiane Torloni e Paulo Goulart, haviam acabado de passar por lá, pois iam para um seminário e uma entrevista coletiva da minissérie sobre o Acre (ainda sem título definido), que começa a ser gravada em agosto para exibição em janeiro de 2007. O músico João Donato e o jornalista Armando Nogueira conversavam próximo à entrada da emissora, mas disseram que sequer haviam percebido a presença do rapaz. A novelista Glória Peres, que vai escrever a minissérie, chegou logo depois do incidente. Além deles, havia vários jornalistas credenciados para a entrevista. Segundo um dos seguranças que prenderam Dualib, ele aparentava calma e queria ser filmado por uma das câmeras da emissora. "Então, nós o levamos no corredor com a promessa de gravar sua imagem e lá conseguimos contê-lo", contou o rapaz na delegacia, recusando identificar-se. Segundo ele, nos 11 anos de funcionamento do Projac, nunca houve incidentes como este. No Projac ficam as centrais de produção e os estúdios de todos os programas da Rede Globo, exceto os jornalísticos. Por lá circulam diariamente mais de três mil pessoas. Além das cidades cenográficas das quatro novelas em produção, ficam também as ilhas de edição, os depósitos de cenário, figurinos e objetos de cena e parte da administração da emissora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.