Márcio Fernandes/AE
Márcio Fernandes/AE

Atraso de voos volta a crescer no País

Até as 16h, 18.7% partidas domésticas estavam atrasadas e 4.1%, canceladas; Gol lidera

Priscila Trindade, da Central de Notícias,

03 de agosto de 2010 | 15h30

SÃO PAULO - Os voos da empresa aérea Gol continuam a registrar atrasos na tarde desta terça-feira, 3. Apesar dos índices apresentarem queda em comparação aos registrados ontem, segundo boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), 196 (36.6%) das 536 partidas domésticas registraram atrasos até as 16 horas. Outros 44 voos (8.2%) foram cancelados no mesmo período. Em todo o País, até as 16 horas, dos 1506 voos programados, 282 (18.7%) tiveram atrasos e 61 (4.1%) foram cancelados.

 

Veja também:

linkNos cinco Juizados, apenas 104 reclamações

lista Saiba seus direitos em atrasos e cancelamentos

 

Os índices da Gol ainda superam os da companhias concorrentes. A TAM, por exemplo, tinha entre 0 horas e as 16 horas de hoje apenas 26 (5%) dos 525 voos com atrasos e 9 (1.7%) partidas canceladas.

 

No Aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, 24 (18.9%) dos 127 voos saíram com atraso de pelo menos meia hora. Apenas 4 (3.1%) foram cancelados.

 

No Aeroporto de Congonhas, na zona sul da cidade, a proporção de partidas atrasadas foi menor - 23 (15%) dos 153 atrasaram - mas o número de cancelamentos é superior ao de Guarulhos. Quinze voos foram cancelados, equivalente a 9.8%.

 

No Rio, o Aeroporto Santos Dumont registrou até às 16 horas, 16 partidas (15.2%) com atrasos e 13 (12.4%), de um total de 105, canceladas. No Galeão, dos 76 voos, 20 (26.3%) tiveram atrasos e 5 (6.6%) foram cancelados.

 

Na segunda-feira, a Gol protagonizou uma série de atrasos e cancelamentos no tráfego aéreo brasileiro. Mais de 300 partidas da companhia registraram atrasos superiores a meia hora e mais de 70 voos foram cancelados.

 

A empresa atribuiu os atrasos a um "pico de movimento em razão do retorno das férias escolares" e à implantação de uma nova escala de funcionários. "Na ocasião, algumas tripulações atingiram o limite de horas de jornada de trabalho previsto na regulamentação da profissão e foram impossibilitadas de seguir viagem, gerando um efeito em cadeia", informou a Gol em nota divulgada ontem.

 

 

Texto atualizado às 16h55.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.