Atrasos aumentam e chegam a 24,2% dos vôos no País

A manhã desta sexta-feira registrou número expressivo de atrasos em vôos nos aeroportos. Segundo a Infraero, dos 727 vôos programados, 176 tiveram atrasos superiores a 45 minutos. O dado corresponde a 24,2% de vôos com atrasos, do total de vôos. Na noite de quinta-feira, os atrasos atingiram cerca de 30% dos vôos, índice superior ao normal para vésperas de feriado. De acordo com o site da Infraero, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, cerca de 23 vôos (10 chegadas e 13 partidas) apresentavam atrasos que iam de até uma hora e meia. No Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, cerca de 19 vôos registravam atrasos. No Rio de Janeiro, o Aeroporto do Galeão verificava 15 vôos atrasados. No Santos Dumont, também no Rio, a situação era mais tranqüila, com quatro vôos com atrasos. A funcionária da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) que estava de plantão em Cumbica disse que não podia passar nenhuma informação nem para a imprensa nem para os passageiros. Ela disse que sua função é apenas receber as reclamações e preencher os relatórios. Quem for reclamar sobre eventuais atrasos no balcão da Infraero também não receberá muita ajuda. Os passageiros serão encaminhados de volta às empresas aéreas. Cerca de 261 mil pessoas deverão passar por Cumbica nestes dias de carnaval. No total, vão acontecer 2.580 operações de pousos e decolagens. Os destinos mais procurados são as capitais no Nordeste, Buenos Aires e Miami. Caos Em uma tentativa de evitar que os passageiros revivam o caos nos aeroportos verificado no final do ano, a Aeronáutica cancelou as folgas dos controladores de tráfego aéreo. O receio, entretanto, é que a categoria volte a realizar a operação-padrão, o que aumentaria o intervalo entre os vôos e refletiria atrasos.

Agencia Estado,

16 Fevereiro 2007 | 12h25

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.