Atrasos diminuem, mas ainda há problemas no Paraná

O Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba) ainda sofre as conseqüências do problema apresentado pelo Cindacta 2, que controla os vôos da Região Sul, desde a noite de sexta-feira, 12. Neste domingo, 14, o aeroporto havia registrado até as 16 horas quatro vôos atrasados. O caso mais grave é o vôo da empresa aérea TAM número 03887 que deveria chegar de Brasília às 12h38, mas está com pouso programado para as 19h20. Por causa disso, os passageiros que aguardavam a aeronave para seguir até Foz do Iguaçu terão uma espera de pelo menos sete horas. Além dele, o vôo 03886 da TAM com chegada prevista de Foz do Iguaçu às 17 horas está programado para as 19 horas. Os atrasos do Aeroporto Afonso Pena começaram na noite de sexta-feira e atingiu o maior registro de atrasos no sábado. Uma aeronave da TAM que deveria seguir para Londrina na noite de sexta e ficou no pátio gerou insatisfação dos passageiros que registraram um Boletim de Ocorrência para protestar.Atrasos no RioNo Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, oito vôos domésticos atrasaram neste domingo, 15, sendo quatro da Gol Linhas Aéreas e outros quatro da TAM. O maior atraso ocorreu no vôo da TAM que sairia às 5h da manhã para Porto Alegre e só decolou às 10h40. Os passageiros reclamaram da falta de informações no balcão das companhias, e houve tumulto durante a manhã.A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que os atrasos ainda refletem as falhas ocorridas no sistema de comunicação do Cindacta 2, o centro de controle de vôos de Curitiba (PR) na última sexta-feira. O balanço dos atrasos de vôos de domingo ainda não foi divulgado pela agência.Segundo a Anac, no sábado, de 406 vôos programados, 79 saíram ou chegaram depois do horário, e sete foram cancelados nos aeroportos do Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.