Atriz processa Caixa Econômica após ficar de calcinha na porta

Segurança de agência do banco pediu para ela 'tirar a roupa' após ser barrada na entrada, diz Solange Couto

Nina Ramos, do estadao.com.br,

29 de julho de 2008 | 16h14

A atriz Solange Couto vai entrar com uma ação na Justiça contra a Caixa Econômica Federal, por um incidente ocorrido na segunda-feira, 28, em que precisou ficar de calcinha na porta de uma agência em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio.   Segundo conta a própria Solange ao estadao.com.br, antes de entrar na agência ela tomou a iniciativa de depositar objetos que estavam em sua bolsa no compartimento próximo à porta giratória de entrada. "Coloquei celular, máquina fotográfica, carteira, chave do carro, tudo que poderia me travar na porta", diz.   Quando a atriz tentou passar pela primeira vez, o alarme apitou. "O segurança chegou perto do vidro e perguntou, ríspido, o que mais eu tinha na bolsa. Eu afirmei que não tinha mais nada. Eu abri a bolsa para ele ver e ele pediu para eu colocar as caixas de meus óculos no compartimento". Mais uma vez, o alarme soou. O segurança do local pediu então para a atriz trocar a bolsa de ombro, o que não adiantou novamente.   Já nervosa, Solange diz que deu uma passo para trás e jogou a bolsa no chão. "Perguntei o que mais eu precisava fazer para entrar na agência. Ele me respondeu com cara de deboche: 'tira a roupa'. Como estava irritada, eu abri minha bermuda e a abaixei até o chão. Perguntei novamente, já tremendo, o que precisava fazer mais", declara Solange.   A atriz registrou o incidente na 41.ª DP (Tanque) e diz que uma senhora que estava saindo da agência no momento do episódio e mais oito pessoas se ofereceram para testemunharem o caso. "Meu advogado, Sylvio Guerra, já está providenciando tudo. Vamos entrar com uma ação por danos morais, humilhação e etc".   Solange disse ainda que o gerente do banco apareceu na porta depois de um bom tempo e chamou o funcionário para o interior da agência. "Não me ofereceram água, cadeira, nada. E depois de um tempo o segurança voltou para a porta, com a mesma cara". Segundo as testemunhas, que moram no bairro há um tempo, o homem tem o hábito de "destratar e humilhar as pessoas, idosos, negros. Até de assediar mulheres que passam na rua, chamando de 'gostosas'. O gerente já recebeu inúmeras queixas, mas não toma providencia nenhuma", afirma a atriz.   "Eu não sei nem como tirei a bermuda. Já estava em um estado de nervos tão grande. Não tirei porque estava com vontade de ficar pelada, até porque eu sou evangélica, e não cabe para uma mulher de 52 anos, mãe de família, evangélica, ficar de calcinha na porta do banco", disse Solange.     Solange está escalada para a próxima novela das 19h da TV Globo, Três Irmãs. Na trama, ela interpreta Janaína, uma bonita ex passista de escola de samba, de 40 anos, dona de uma pousada e apaixonada pelo pescador Jacaré, vivido por Ailton Graça.   Caixa Econômica Federal   Segundo o banco, "os vigilantes são orientados a tratar todos os usuários com educação e presteza" e devem chamar o gerente da agência para solucionar qualquer questão relativa à porta giratória, cujo uso é obrigatório e "visa à proteção dos clientes."   A Caixa ainda declarou que "todos os procedimentos de segurança e atendimento rotineiros foram utilizados no episódio, não tendo sido sugerido à cliente que tomasse qualquer outra atitude."   Atualizada às 16h35 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
Solange Couto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.