Atual ministro da pasta destinou R$ 10 mi a projetos

Novais propôs apoio a cidade pouco turística; Mendes Ribeiro, Garibaldi e Mercadante também apresentaram emendas

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2011 | 00h00

BRASÍLIA

A lista dos campeões de emendas parlamentares para o Ministério do Turismo inclui quatro ministros do governo Dilma Rousseff. No topo, está o deputado licenciado e atual ministro do Turismo, Pedro Novais (PMDB-MA), que pôs no Orçamento de 2011 emenda de R$ 10 milhões para "apoio a projetos de infraestrutura turística" no Maranhão.

Parte dos recursos de sua emenda foi para construção de ponte em Barra do Corda, que nem figura na lista de indutores de turismo da própria pasta. Para Novais, porém, é "estratégica para o desenvolvimento do Estado".

O segundo da lista é o atual ministro Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS), que assumiu a Agricultura há um mês no lugar de Wagner Rossi, alvo da "faxina" realizada pelo governo. Ele apresentou 13 emendas, no total de R$ 7,6 milhões em favor de seu Estado. A seguir vêm Aloizio Mercadante (PT-SP), de Ciência e Tecnologia, com R$ 5,5 milhões para São Paulo, e Garibaldi Alves (PMDB-RN), da Previdência, que destinou R$ 4 milhões para o turismo no Rio Grande do Norte.

Levantamento feito pelo Estado no Sistema Integrado de Administração Financeira da União, com auxílio da ONG Contas Abertas, revela que o turismo virou a opção preferencial de parlamentares na destinação de emendas de suas cotas individuais. No Orçamento de 2011, foi inserido um total de R$ 2,7 bilhões em emendas do turismo, volume que superou as áreas de saúde e educação. Alguns parlamentares descarregaram toda sua cota de R$ 13 milhões no turismo.

No total, 129 parlamentares apresentaram emendas que superam R$ 4 milhões. Os campeões foram o ex-deputado Augusto Farias (PTB-AL) e o senador José Pimentel (PT-CE), vice-líder do governo.

Mercadante explicou que a prioridade de suas emendas "sempre foi estabelecida pelos prefeitos do Estado", resposta semelhante à de Mendes Ribeiro, que "sempre se pautou pelas demandas dos municípios do seu Estado".

A opção por emendas do turismo, segundo Garibaldi, tem legitimidade. "Como são obras de infraestrutura turística, para efeito de convênios torna-se menos burocrático concentrá-las no Ministério do Turismo."

Pimentel explicou que mandou tudo para o Ceará porque seu Estado tem vocação natural para o turismo e Fortaleza é uma das 12 cidades-sede da copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.