Atual política econômica é insuficiente para 2º mandato

O líder do PT na Câmara, deputado Henrique Fontana (RS), afirmou que a política econômica do primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é "insuficiente" para o segundo mandato, ao comentar a entrevista do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, publicada nesta quarta-feira no Estado.Fontana defendeu a permanência do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que já bateu de frente com o presidente do Banco Central, no primeiro mandato de Lula, mas não defendeu Meirelles. "Avalio o ministro muito positivamente. Gostaria da manutenção de Mantega, mas quem tem a batuta é o presidente Lula", afirmou Fontana. Ao ser questionado sobre a avaliação que tinha sobre Meirelles, o líder do PT respondeu: "Não tenho uma avaliação. Deixo isso para o presidente Lula".Fontana afirmou que o Brasil não pode se colocar na escolha entre "crescer e ter inflação ou não crescer e não ter inflação". Na entrevista ao Estado, Meirelles afirma que "está pensando errado e matando o crescimento futuro", quem pensa que para crescer mais é preciso admitir mais inflação. Para Fontana, a política econômica do governo no primeiro mandato de Lula já cumpriu sua função. "Foi uma política vitoriosa. Estabilizou a economia e deu alicerces mais sólidos, mas é insuficiente no segundo mandato", afirmou o petista, que defende um crescimento da economia mais acelerado. Fontana voltou a condenar uma eventual autonomia para o Banco Central. "Quem tem autonomia é o povo para escolher o presidente e ele (presidente) dá o indicativo para a política econômica", disse. "No que depender de mim, farei o possível para não votar a autonomia formal do Banco Central", completou o líder petista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.