Audiência de líderes da Renascer será na segunda nos EUA

A primeira audiência de Sonia e Estevam Hernandes, fundadores da Igreja Renascer em Cristo, perante a Justiça americana será realizada na segunda-feira, a pedido da procuradoria. O casal foi preso no dia 9, no aeroporto de Miami, quando tentava entrar nos EUA com US$ 56,5 mil tendo declarado apenas US$ 10 mil.Parte das notas estavam escondidas no interior de uma Bíblia. Os dois estão atualmente em liberdade condicional em sua mansão em Boca Raton. As acusações são de contrabando de divisas e "não declaração" na alfândega.A data original da primeira audiência era quarta-feira passada, mas foi transferida porque o júri popular composto por 25 pessoas - a instância que no sistema judicial americano decide o indiciamento - não chegou a uma decisão a tempo. Pela lei dos Estados Unidos, a procuradoria tem 20 dias a partir da detenção para indiciar um acusado de algum crime. O casal trocou de advogado nos Estados Unidos e agora é representado por Susan Van Dusen e Albert Krieger.Se forem indiciados, Sonia e Estevam serão informados por um juiz, durante a audiência de segunda-feira, sobre as acusações que enfrentam e ouvirão seus direitos pela Constituição americana. Após isso, o casal pode se declarar culpado ou inocente. Daí, o Departamento de Justiça marcará o julgamento para 70 dias após a data da audiência. Então, podem ser julgados por um júri composto por 12 cidadãos.Se o júri popular não aceitar a denúncia do promotor, o casal ouvirá do juiz que não há mais denúncias pendentes. Mas ainda podem perder o green card e enfrentar extradição, já solicitada pela Justiça brasileira, que determinou o bloqueio de seus bens.O advogado dos Hernandes no Brasil, Luiz Flávio Borges D´Urso, presidente da OAB-SP, alega que eles não podem ser extraditados porque o tratado de cooperação entre os dois países não prevê a hipótese de extradição em processos por crime de lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.