Audiência de procuradora acusada de torturar criança é feita a portas fechadas

Objetivo é evitar o assédio da imprensa e preservar testemunhas; participam da audiência apenas o Juiz, o Ministério Público, a ré e seus advogados de defesa

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

11 de junho de 2010 | 12h02

SÃO PAULO - Começou às 11h10 desta sexta-feira, 11, no Rio, a audiência para ouvir as testemunhas de acusação e de defesa do processo em que a procuradora aposentada Vera Lúcia de SantAnna Gomes é acusada de torturar a menina T.S.E.S., de 2 anos, que estava sob sua guarda provisória.

 

Segundo o Tribunal de Justiça, a audiência está sendo realizada a portas fechadas, a pedido do Ministério Público e dos advogados da ré. Participam da audiência apenas o Juiz, o Ministério Público, a ré e seus advogados de defesa, além dos serventuários que trabalharão durante o ato.

 

O objetivo, de acordo com o pedido deferido pelo juiz Mario Henrique Mazza, é preservar as testemunhas, para que tenham tranquilidade e segurança para prestar suas declarações. Segundo o TJ, algumas testemunhas estavam se sentindo pressionadas e expostas pelo assédio da imprensa.

Tudo o que sabemos sobre:
procuradoratorturaaudiênciaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.