Aumento da tarifa de ônibus ainda é incerto

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), ainda não decidiu se vai aumentar a tarifa de ônibus na cidade. A definição só deverá ocorrer, segundo ela, após o dia 4 de maio. Ontem, a Fundação Instituto de Pesquisas da Universidade de São Paulo (Fipe) divulgou um estudo preliminar que indica a necessidade de aumentar a tarifa no município, que atualmente é de R$ 1,15. A pesquisa da Fipe foi encomendada porque a Prefeitura desconfiava das planilhas apresentadas pelos empresários do setor. O resultado final do estudo deverá ser entregue para Marta ainda esta semana."O documento ainda não chegou às minhas mãos, mas diz que o sistema de ônibus está deficitário. Eu não decidi ainda se aumento a tarifa ou se vou manter o subsídio e discutir sobre ele", afirmou Marta no início da tarde de hoje. A prefeita reiterou que o subsídio recebido pelas empresas de ônibus não é pequeno. "Pode ser R$ 20 milhões, R$ 30 milhões. É uma briga de foice para saber quanto é que é. Quando eu penso que R$ 20 a R$ 30 milhões para ônibus poderia ser colocado eu outro projeto, dói. A vontade é por em coisas (projetos) que rendam mais", disse ela.Marta reafirmou que vai participar de um seminário, organizado pela Prefeitura, que reunirá especialistas do setor para estudar todas as alternativas e tomar "a melhor resolução". Os empresários da área dizem ser preciso R$ 1,35 de tarifa para que os gastos possam ser cobertos. Nos últimos três anos, a queda na quantidade de passageiros por mês baixou de R$ 120 milhões para R$ 90 milhões.A queda de passageiros foi basicamente causada pelo transporte alternativo. Para haver investimentos no sistema, como renovação de frota, que vem sendo exigida pela Prefeitura, os empresários reivindicam uma tarifa de R$ 1,55. Em outros municípios da Grande São Paulo, o preço médio da tarifa de ônibus é de R$ 1,40.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.