Aumento na tarifa dos ônibus causa mais protesto e confronto em Porto Alegre

Grupo tentou invadir a sede da Prefeitura e foi contido pelo Pelotão de Choque

estadão.com.br,

28 Fevereiro 2012 | 01h05

SÃO PAULO - Dezenas de jovens, entre eles vários estudantes, durante um protesto contra o aumento de 5,56% na tarifa dos ônibus, entraram em confronto com a Brigada Militar por volta das 20 horas de segunda-feira, 27, em frente à sede da Prefeitura de Porto Alegre (RS). Ninguém foi preso.

 

A aglomeração teve início em frente ao Colégio Júlio de Castilhos e se deslocou para o Paço Municipal, onde guardas municipais tiveram que pedir reforço do Pelotão de Choque da Brigada Militar (BM) para evitar a invasão no prédio da Prefeitura. Spray de pimenta foi utilizado pelos policiais para dispersar os manifestantes.

 

No confronto, um suposto estudante, um sargento da BM e um guarda municipal ficaram feridos, mas todos sem gravidade. Em razão da manifestação, o trânsito nas imediações ficou caótico e muitos passageiros que estavam nos pontos esperando pelos ônibus foram prejudicados pela mudança forçada e momentânea no itinerário dos coletivos.

 

A Brigada Militar afirma que esse grupo de manifestantes é violento e já conhecido e que usa sempre o preço das tarifas dos ônibus como pretexto para causar a desordem e o vandalismo. Dois contêineres com lixo foram incendiados pelos manifestantes. No último dia 9, o mesmo grupo também protestou contra o aumento na tarifa. Na ocasião, o prédio da Prefeitura foi pichado.

 

O aumento na tarifa dos ônibus foi aprovado no dia 31 de janeiro e entrou em vigor no último dia 6. O valor subiu de R$ 2,70 para R$ 2,85. A meia passagem paga pelos estudantes foi para R$ 1,42. Já o preço do táxi-lotação subiu de R$ 4,00 para R$ 4,25.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.