Ausência de Lula no debate foi "balde de água fria" para petistas, diz cientista

A ausência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no debate entre os presidenciáveis foi um "balde de água fria" na militância petista que apóia Lula e aumentou as chances de um segundo turno nas eleições. A análise é do coordenador do setor de política do Departamento de Sociologia da PUC-Rio e cientista político, Ricardo Ismael. "Ontem (quinta), o segundo turno ficou mais perto", afirmou.Ele observou que, provavelmente, a avaliação do Palácio Planalto foi de que seria pior se Lula fosse, visto que poderia surgir algum fato novo que pudesse mexer com a base eleitoral sólida que tem garantido a vitória de Lula no primeiro turno, nos resultados das últimas pesquisas eleitorais. "Mas deixar os adversários falarem sozinhos não é uma boa coisa", avaliou.Ele comentou que o debate, que contou com a presença dos presidenciáveis Heloísa Helena (PSOL), Geraldo Alckmin (PSDB) e Cristovam Buarque (PDT), permitiu que a base de eleitores fiel de Lula, que é a de população com renda até dois salários mínimos e com escolaridade até quatro anos, visualizasse os outros candidatos sob um novo prisma.Outro ponto destacado pelo cientista político foram as circunstâncias que cercaram esse debate dos presidenciáveis. Devido ao escândalo do dossiê, no qual petistas tentaram comprar documentos que conteriam denúncias contra políticos tucanos, nos últimos dez a quinze dias, "Lula assumiu uma postura defensiva. O fato de ele (Lula) ter se ausentado terminou sendo um fator negativo para ele", disse, considerando que o presidente não sentiu necessidade de aproveitar o evento para se explicar sobre o assunto.Na avaliação do cientista político, não ocorreu nenhum fato novo, especificamente, no debate que prejudicasse a imagem de Lula. Porém, a conjuntura que rodeou o evento, como o suspense, até final, se o presidente compareceria ou não, é que foi significativa. "As circunstâncias que envolveram o debate é que aumentaram a chance de se ter um segundo turno", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.