Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Paraenses protestam contra queimadas na Amazônia no Auto do Círio

Manifestação artística em Belém é organizada por professores da Escola de Teatro e Dança da UFPA e antecede o Círio de Nazaré

Tiago Queiroz*, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2019 | 13h56

BELÉM - Já é tradição em Belém: uma noite antes da trasladação da imagem de Nossa Senhora de Nazaré pelas ruas do centro velho, uma turma de artistas nas suas mais diversas linguagens saem em evento cultural pelas ruas próximas da Igreja da Sé. Trata-se do Auto do Círio, organizado, pensado e fundado pelos professores Amir Addad, Margareth Refskalevski e Zelia Amador de Deus,  da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Os três docentes, já em idade avançada, foram homenageados neste ano e estavam em um dos poucos carros alegóricos que saem no cortejo. 

Segundo o reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho, presente nos festejos deste ano, a ideia nasceu da vontade "de integrar o setor cultural com o Círio de Nazaré

"(É) Uma forma de promover pesquisas acadêmicas integrando setores da cultura com a sociedade de Belém", afirmou o reitor da UFPA.

Tourinho lembra que nos primeiros anos houve resistência de alas mais conservadoras da cidade, mas que ao longo do tempo a rejeição foi superada.

"A população hoje nos apoia e nos espera pelas ruas da Cidade Velha."

O tema deste ano do Auto do Círio adquiriu forte tom político: "Maria, mãe de todas as matas". Apesar de ter sido escolhido em março, o tema ganhou força com as recentes queimadas na região amazônica.

Com essa mensagem para elaborar a fantasia, a dona de casa Neide Ferro produziu uma vestimenta em que o adereço principal é uma bandeira do Brasil com manchas vermelhas para simular sangue.

"Quis mostrar o momento que o Brasil está passando, lembrar dos povos indígenas que não têm voz, que quase sempre são esquecidos", afirmou Neide.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Quis mostrar o momento que o Brasil está passando, lembrar dos povos indígenas que não têm voz, que quase sempre são esquecidos
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Neide Ferro, participante do Auto do Círio

Edneia Silva optou por pintar o rosto todo de verde, lembrando dos "seres místicos da natureza". Ela se inspirou no livro O mundo místico caruanas e a revolta de sua ave, de uma autora local, Zeneida Lima.

Democrático, o cortejo recebe todos que queiram desfilar. Neste ano, chamava a atenção a ala de frente dos orixás representados por Ogum, tendo a estudante de dança, Beatriz Moraes, como uma das integrantes. 

*O REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DA VALE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.