Autor de chacina é transferido de prisão e de cidade

Carlos Fabiano Faccion, de 25 anos, que assumiu a autoria da chacina que causou a morte de cinco parentes seus e deixou outros dois feridos gravemente, na terça-feira, em Batatais, foi transferido de prisão nesta manhã. Ele saiu da Cadeia da Guanabara, em Franca, onde foi vaiado na sua chegada, mas não agredido fisicamente, para a Cadeia da pequena Itirapuã. Para que isso fosse possível, e para evitar ações de outros presos contra a vida de Faccion, oito presos de Itirapuã foram levados para Franca. Assim, Faccion terá uma cela exclusiva, enquanto os 15 demais detentos ocupam a outra cela da unidade.O diretor da Cadeia da Guanabara, Alan Bazalha Lopes, disse que estranhou os boatos de que Faccion havia sido agredido na chegada. "Houve vaias, como num estádio de futebol, mas estou apurando se houve algo que eu não saiba", explicou Lopes. A transferência para outra unidade, segundo ele, é importante, porque temia-se que os outros presos viessem a atacar Faccion no domingo, após o horário de visita. Por motivo de segurança, na tarde de ontem, ele nem foi para o banho de sol com os demais detentos, ficando, sozinho, numa sala. Faccion estava ocupando uma cela do ?seguro? com alguns estupradores, presos que normalmente são apartados dos demais.O delegado de Patrocínio Paulista, Manir Martos Salomão, que responde pela cadeia de Itirapuã, disse que, na chegada de Faccion houve ameaças e revoltas de outros detentos. "A nossa preocupação com a vigilância é maior internamente, já que não tivemos problemas externos", disse Salomão. Antes da remoção de Faccion, 23 presos dividiam as duas celas. Agora, houve a superlotação de uma delas.A companheira e cúmplice de Faccion, Edna Emília Milani, de 20, permanece internada na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, em Ribeirão Preto, em estado estável. Ainda não foi necessária uma cirurgia, embora ela tenha sido atingida na cabeça numa tentativa de linchamento por parte detentas do Presídio Feminino de Altinópolis. Edna, que está sob escolta policial, teve traumatismo craniano e sangramento.No mesmo hospital, as crianças Laira Fernanda Donizeti da Silva, de 2 anos, sobrinha de Carlos Fabiano, e Luís Henrique Faccion, de 7, irmão dele, permanecem em estado grave. Segundo o boletim médico, ambas estão em coma induzido por medicamentos, o que deverá durar alguns dias. As crianças perderam massa encefálica durante as agressões e o risco de seqüelas, caso se recuperem, existe. Além de Carlos e Edna, participou da chacina o menor C.R.S., de 13 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.