Autoridades não sabem identidade de garota presa no Pará

Segundo o Conselho Tutelar, garota teria sido obrigada a manter sexo com presos para receber alimentação

21 de novembro de 2007 | 17h02

Ministério Público, o Poder Judiciário e a Defensoria Pública do Pará estiveram reunidos nesta quarta-feira, 21, para discutir o caso de uma suposta adolescente que ficou presa, durante cerca de um mês, em uma cela com 20 homens na carceragem da Polícia Civil de Abaetetuba. As autoridades, entretanto, ainda não sabem a real identidade da adolescente. Em nota oficial, divulgada no início da tarde, os órgãos informaram que está no Fórum de Abaetetuba o processo em que "consta um auto de prisão em flagrante de uma mulher cujo sobrenome não corresponde ao da certidão de nascimento apresentada pelo Conselho Tutelar". Segundo a nota, no auto de flagrante "há a informação de que Lidiane da Silva Prestes (e não L.A.B.), de 19 anos de idade, foi presa no dia 21 de outubro. O flagrante foi mantido, e os autos foram encaminhados ao Ministério Público somente no dia 12 de novembro". No dia 19 de novembro, o Conselho Tutelar apresentou ao Judiciário a certidão de nascimento em nome de L.A.B., de 15 anos. Nesse documento, o nome dos pais não confere com o que consta no processo contra Lidiane da Silva Prestes, "pairando dúvidas sobre estar se tratando da mesma pessoa", diz a nota. De acordo com o comunicado, o Ministério Público, o Poder Judiciário ou a Defensoria Pública em nenhum momento foram comunicados, antes do dia 14 de novembro, pela polícia, pela família ou pelo Conselho Tutelar, que Lidiane da Silva Prestes ou L.A.B. estava na mesma carceragem que presos do sexo masculino. "Inclusive o Juizado da Infância e Juventude só tomou conhecimento do fato no dia 19 de novembro, através de expediente protocolado pelo Conselho Tutelar, por volta de 12 horas, tendo a juíza responsável encaminhado o procedimento para o Ministério Público, para providências" diz o comunicado. Ainda em nota, o Ministério Público, o Poder Judiciário e a Defensoria Pública afirmaram que "estão sendo tomadas todas as providências necessárias que envolvem a presa Lidiane da Silva Prestes ou L.A.B. a fim de apurar as responsabilidades pelos eventuais abusos sofridos pela jovem, bem como a irregularidade de sua prisão". (Com informações da Agência Brasil)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.