Av. Paulista deve ter 2,1 milhões de pessoas no réveillon

A Prefeitura de São Paulo espera que a 10ª edição do réveillon na Paulista bata recorde de público na virada para 2007. A expectativa é de que 2,1 milhões de pessoas passem pela festa, que começa às 20h30 do dia 31 de dezembro. Um palco de 800 metros quadrados começou a ser montado entre as Ruas Ministro Rocha de Azevedo e Frei Caneca, que receberá cantores de diferentes estilos.Rita Lee abrirá o espetáculo, que ainda vai contar com a presença da Banda Calypso e do KLB, entre outros grupos que tocam até as 2h30 do dia 1º. Os organizadores prometem um show de tecnologia, com painéis eletrônicos e 250 toneladas de plataformas para comportar toda a estrutura do evento.Segundo o prefeito Gilberto Kassab (PFL), para organizar um evento desse porte foi preciso fazer parcerias e obter patrocinadores. "Faríamos o réveillon de qualquer forma, mas, com tantas carências na área social, não poderíamos investir recursos para uma festa como essa se não fossem as parcerias."O primeiro réveillon na Paulista ocorreu na virada de 1996 para 1997, com a presença de cerca de 200 mil pessoas - um índice que cresceu dez vezes. Em 2005, foram 2 milhões de pessoas, sendo 400 mil turistas de todo País. "Esse é o único evento sobre o qual ninguém reclama da utilização da Avenida Paulista", diz o secretário da Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo.De acordo com os organizadores, o número esperado de participantes para a virada de 2006 já é suficiente para lotar a Paulista. Para os próximos anos, cogita-se a mudança do evento para um espaço maior. "Não podemos trabalhar com hipóteses. Cada ano é um ano", desconversou Kassab. "O ano-novo é uma das únicas exceções que o MP (Ministério Público Estadual) liberou para continuar na Paulista em 2006".As outras duas "exceções" confirmadas são a Corrida de São Silvestre e a Parada Gay. Já está definido que a Marcha para Jesus, evento dos evangélicos, a Festa do 1º de Maio e as comemorações de futebol estão fora do calendário da avenida. As alternativas são a Avenida 23 de Maio, Tiradentes ou ainda a Praça Campo de Bagatelle.Mas, se depender dos patrocinadores, o réveillon continua Paulista. E cada vez mais lotado. "Eu tenho um sonho de atrair turistas não só do País, mas do mundo todo. Queremos estar entre as três maiores festas do mundo", afirma Ernesto Silva, presidente de Femsa, grupo que investe no evento.Em números5 shows estão programados: Rita Lee, Grupo Antônia, Banda Calypso, Netinho e KLB.15 minutos é o tempo da queima de fogos de artifício, sendo 80 mil tiros e 3 mil bombas.80 barracas de comida e bebida estarão espalhadas pela Paulista. Haverá banheiros químicos para atender o público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.