Avanço de Moon no Mato Grosso do Sul preocupa Exército

O Exército Brasileiro está preocupado com os avanços da Associação das Famílias pela Unificação e Paz Mundial, entidade presidida pelo polêmico reverendo Moon, no Mato Grosso do Sul.A informação é do comandante do CMO (Comando Militar do Oeste), General Sérgio Ernesto Alves Conforto, explicando que ?é preocupante a forma como o reverendo vem ampliando a sua faixa de terra na fronteira com o Paraguai e na região de Jardim, principalmente?.São 56 fazendas em oito municípios pantaneiros, totalizando 87 mil hectares de área, além de 350 mil hectares de terras paraguaias, na divisa com Porto Murtinho (MS).Para o general, Moon vem usando como artifício para a ampliação dessas áreas: a implantação de pequenos núcleos populacionais, que avançam de forma desordenada em regiões de pouca rentabilidade produtiva. ?Ninguém gasta dinheiro à toa?, disse o general.Informou também que o Exército mapeou dez áreas que o reverendo coreano já comprou no MS, ressaltando que está atento ao fato de as ações do Moon na fronteira possibilitarem o comprometimento da soberania nacional.Conforto foi uma das autoridades que participaram da audiência pública realizada, nesta sexta-feira, na Assembléia Legislativa, onde o presidente da associação no Brasil, Maurício Raimundo Baldini, foi duramente inquirido.Para os parlamentares que participaram do encontro, é necessária a instalação de uma CPI para apurar tudo sobre os projetos de Moon no MS.O deputado Waldir Neves (PSDB) afirmou que a denúncia mais grave é sobre lavagem de dólares. ?Eu tenho uma testemunha coreana com provas sobre os dólares lavados empregados por Moon no MS?, garantiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.