Avanço de Moon no Mato Grosso do Sul preocupa Exército

O Exército Brasileiro está preocupado com os avanços da Associação das Famílias pela Unificação e Paz Mundial, entidade presidida pelo polêmico reverendo Moon, no Mato Grosso do Sul. A informação é do comandante do CMO (Comando Militar do Oeste), General Sérgio Ernesto Alves Conforto, explicando que ?é preocupante a forma como o reverendo vem ampliando a sua faixa de terra na fronteira com o Paraguai e na região de Jardim, principalmente?. São 56 fazendas em oito municípios pantaneiros, totalizando 87 mil hectares de área, além de 350 mil hectares de terras paraguaias, na divisa com Porto Murtinho (MS). Para o general, Moon vem usando como artifício para a ampliação dessas áreas: a implantação de pequenos núcleos populacionais, que avançam de forma desordenada em regiões de pouca rentabilidade produtiva. ?Ninguém gasta dinheiro à toa?, disse o general. Informou também que o Exército mapeou dez áreas que o reverendo coreano já comprou no MS, ressaltando que está atento ao fato de as ações do Moon na fronteira possibilitarem o comprometimento da soberania nacional. Conforto foi uma das autoridades que participaram da audiência pública realizada, nesta sexta-feira, na Assembléia Legislativa, onde o presidente da associação no Brasil, Maurício Raimundo Baldini, foi duramente inquirido. Para os parlamentares que participaram do encontro, é necessária a instalação de uma CPI para apurar tudo sobre os projetos de Moon no MS. O deputado Waldir Neves (PSDB) afirmou que a denúncia mais grave é sobre lavagem de dólares. ?Eu tenho uma testemunha coreana com provas sobre os dólares lavados empregados por Moon no MS?, garantiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.