Avenida Sapopemba é a mais perigosa de SP

Pouca gente que circula pela avenida mais longa de São Paulo, a Sapopemba, na zona leste, sabe que está andando sobre um verdadeiro campo minado. O perigo ronda quem está a pé, de carro ou trabalhando atrás do balcão de algum comércio. Na lista dos lugares mais perigosos da cidade, ela foi campeã em roubos, com 82 casos registrados em junho. Também ficou com as primeiras posições em roubos de veículos, com 34 motoristas atacados, e em homicídios, com quatro assassinatos. É nos boletins de ocorrência, registrados nos distritos policiais, que o Serviço de Informações Criminais (Infocrim), da Secretaria da Segurança Pública, tem a maior fonte de captação de informações e de problemas que a polícia deve resolver. Além do mapa da violência - obtido com exclusividade pelo Estado -, os delegados e oficiais da Polícia Militar têm condição de saber em que dias da semana e horários os criminosos atacam mais. A fama de perigosa não é privilégio da Sapopemba. A avenida de 30 quilômetros de extensão está em más companhias. A campeã em furtos de veículos é a Rua Santa Marcelina, na Vila Carmozina, freqüentada por uma multidão que busca os serviços do Hospital Santa Marcelina. Em 30 dias, essa movimentada rua da zona leste foi o alvo preferencial de ladrões e deixou 17 motoristas sem seus carros. Para os policiais, a causa pode estar ligada à grande quantidade de desmanches que toma conta da região. Mas a zona norte não foi poupada: a Rua Guaranésia, na Vila Maria, aparece entre as dez primeiras no furto de carros - pelo menos dez veículos desaparecidos eram de alunos de uma universidade da região. Já a "medalha de ouro" em furtos - são levados carteiras, celulares, bolsas e sacolas - ficou com a tumultuada Rua 25 de Março, na região central. Na confusão de pedestres, trânsito congestionado, carrinhos com mercadorias e um mar de camelôs, os ladrões encontraram o terreno mais fértil para aumentar o número de vítimas. A Avenida Ragheb Chohfi aparece como o segundo lugar em roubos de veículos, com 29 casos no mês passado, e em sexto nos furtos de carros, com 11 ocorrências. Nessa região, a Avenida Marechal Tito, em São Miguel Paulista, ficou em segundo lugar na quantidade de roubos (houve 79 ocorrências em junho), foi a quarta nos roubos de veículos (com 24 motoristas assaltados) e ficou em nono lugar nos furtos (60 ocorrências). Já a Estrada de Itapecerica, na região sul, aparece no quarto lugar do ranking nos assaltos, com 60 vítimas de ladrões, e também nos furtos de veículos, com 12 casos. Mas, quando se trata de roubos de carros, a Itapecerica desceu para o sexto lugar, com 22 ocorrências. Na zona norte, a Avenida Cruzeiro do Sul amargou a terceira colocação em furtos. Em junho, foram 99 casos, muitos relacionados com a multidão que circula nela por causa do terminal de ônibus, as estações do metrô e o Terminal Rodoviário Tietê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.