Avião acidentado de empresa etíope tinha 8 anos de uso

O Boeing 737-800 da Ethiopian Airlines que caiu na segunda-feira no mar perto de Beirute tinha oito anos de uso e havia sido arrendado de uma divisão do conglomerado financeiro norte-americano CIT Group, informou a companhia aérea.

REUTERS

25 Janeiro 2010 | 10h52

"A aeronave tinha manutenção. A última manutenção foi em 25 de dezembro - foi uma checagem normal. Não havia problema técnico nenhum", disse o executivo-chefe Girma Wake a jornalistas em Adis Abeba, capital etíope.

"Ele partiu daqui ontem sem comentário algum. Ele deixou Beirute sem comentário algum", acrescentou.

O avião, com 90 ocupantes, caiu no mar minutos depois de decolar em Beirute, onde o tempo era ruim na manhã de segunda-feira. Não há sinal de sobreviventes.

A Ethiopian Airlines informou que o esse Boeing 737-800, versão recente do modelo mais vendido da Boeing, havia saído da fábrica norte-americana em 2002, e em setembro de 2009 fora arrendado da empresa CIT Aerospace, parte do grupo de crédito comercial CIT Group.

A CIT, holding bancária e fornecedora de crédito principalmente para pequenas e médias empresas, emergiu recentemente da recuperação judicial nos EUA, resultado da crise financeira global. Nem o CIT nem a Boeing se manifestaram sobre o acidente.

A CIT é um nome conhecido no setor da aviação, gerindo uma frota com mais de 300 aeronaves. Ela fornece arrendamento e financiamento a mais de cem companhias aéreas, de acordo com o seu site.

A Ethiopian Airlines tem outro Boeing 737-800 arrendado, e na semana passada a empresa anunciou que encomendara outros dez para ampliar sua frota.

(Reportagem de Barry Malone em Addis Ababa, Tim Hepher em Paris)

Mais conteúdo sobre:
ACIDENTE ETIOPE AVIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.