Avião bimotor cai próximo em Alagoas; piloto morre

Vôo sai do Recife e cai em Rio Largo, mas piloto não tem identidade divulgada

Paulo R. Zulino e Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

26 Julho 2007 | 09h21

Um avião bimotor, modelo Sêneca II e prefixo PT REX, que decolou de Recife (PE) caiu nesta quinta-feira, 26, na cidade de Rio Largo, a dois quilômetros do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, em Maceió. Com a queda, morreu o piloto da aeronave, Omar Caiã, que conduzia malotes com documentos bancários.   As causas do acidente ainda serão investigadas, mas o bimotor, que pertencia a uma empresa de táxi aéreo, caiu depois de se chocar com fios de alta-tensão da subestação da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), que fica próximo ao local da queda, na cidade de Messias, na região metropolitana de Maceió.   O major da Aeronáutica Nelson Ribeiro explicou que a possibilidade de haver mais de uma vítima fatal no acidente com o bimotor está descartada. O militar disse que no plano de vôo estava autorizado o embarque de duas pessoas, mas nos cadastros apenas ficou registrado o nome do piloto Omar Caiã.   Segundo informações da Infraero, Omar fazia este vôo pelo menos uma vez por semana e seguia para Paulo Afonso, na Bahia. O piloto tinha aproximadamente 55 anos e era considerado experiente. Omar viajava sempre acompanhado de um funcionário da seguradora da financeira contratante, mas desta vez estava sozinho.   Perícia   Peritos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), recolheram os destroços do bimotor, que serão levados para o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos (Cenipa), em Brasília, onde serão investigadas as causas do acidente. Os peritos terão aproximadamente 90 dias para emitir o laudo sobre as causas da queda.   Segundo a torre de comando do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, o piloto tinha autorização para pousar às 7h15 desta quinta-feira e havia feito contato minutos antes da previsão de aterrissagem - há cerca de duas milhas da cabeceira da pista, a aproximadamente quatro quilômetros.   Os malotes trazidos pela empresa de táxi aéreo seriam entregues à empresa Jade Expresso, que faria a distribuição do material em diversos bancos do interior de Alagoas. Segundo o responsável pelo recebimento do material, Fernando Júlio, apenas Omar Caiã estava sendo esperado pela empresa para entrega do material.   Nevoeiro   Segundo a Infraero, o acidente com bimotor não atrapalhou o funcionamento do Aeroporto de Maceió, que esteve fechado por cerca de oito horas, na madrugada de hoje, por causa do nevoeiro. Embora não haja confirmação oficial, mas funcionários do aeroporto comentavam que o nevoeiro pode ter contribuído para a queda do bimotor.   O último acidente aéreo registrado em Alagoas aconteceu novembro de 2001, quando um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) caiu na Avenida Dona Constança, em Maceió. No acidente, quatro casas foram destruídas e duas pessoas morreram no local: o piloto André Magalhães, 32, tenente da FAB de São Paulo, e o co-piloto da aeronave.

Mais conteúdo sobre:
acidente crise aérea Infraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.