Avião faz pouso forçado em Minas com 150 quilos de ouro

Policiais militares de Araguari, no Triângulo Mineiro, ficaram surpresos na tarde de quarta-feira, 16, quando registravam ocorrência do pouso de emergência de um avião bimotor, na zona rural da cidade. No interior da aeronave, havia uma carga de cerca de 150 quilos de ouro em barras, avaliada em mais de R$ 3 milhões. O piloto, identificado como Charles Teixeira Fernandes, disse aos policiais que por volta das 14 horas acionou as torres de controle dos aeroportos de Araguari e Uberlândia, informando sobre uma pane num dos motores. Além dele, outras três pessoas - o co-piloto Antônio Carlos Pereira Ribeiro e os seguranças Daniel Barroso e Emerson de Jesus Oliveira - estavam no bimotor Seneca 2, modelo 810/C, prefixo PT-RAA, da empresa Luma Táxi Aéreo.Eles não sofreram ferimentos, mas, por precaução, chegaram a ser levados para o pronto-socorro da cidade. A aterrissagem forçada foi numa área de plantação de soja de uma propriedade rural. O trem de pouso da aeronave ficou danificado.De acordo com o comandante da PM de Araguari, major Ademir Ribeiro Moura, um técnico da Receita Estadual constatou que a carga pertencia à empresa Rio Paracatu Mineração e que o avião seguia de Brasília para São Paulo. "Houve uma preocupação em relação à carga, mas não foi levantada nenhuma ilegalidade", disse o major. Pela nota fiscal em nome da empresa, a carga total era de 153,5 quilos de ouro, avaliada em R$ 3.766.455,83.A Polícia Federal, segundo o comandante da PM, chegou a ser acionada, mas desconsiderou o caso depois de constatada a legalidade da carga. Dois carros-forte de uma outra empresa de segurança foram contratados e levaram a carga até Uberlândia, sob escolta da PM. Posteriormente, o ouro foi embarcado em uma outra aeronave e levado para São Paulo. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai investigar as causas do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.