Avião pulveriza inseticida e contamina 29 crianças em Goiás

Piloto foi preso e 37 vítimas foram levadas para hospitais da região, com sintomas como vômitos, coceiras e olhos lacrimejantes

Marília Assunção, de O Estado de S. Paulo,

03 Maio 2013 | 16h36

* Atualizado às 20h27

GOIÂNIA - Na manhã de desta sexta-feira, 3, um avião de pulverização agrícola, carregado com um tipo de inseticida, causou a contaminação de 37 pessoas, 29 delas crianças de uma escola rural situada entre os municípios de Paraúna e Rio Verde, no Sudoeste de Goiás. Professores e funcionários também foram contaminados. O piloto de aviação agrícola e mais dois funcionários da empresa Eurotex foram presos no final da tarde pela Polícia Civil de Rio Verde.

A Polícia instaurou inquérito por crime ambiental contra a Eurotex, considerada responsável pelo incidente. O delegado Regional Danilo Fabiano Carvalho e Oliveira acompanha os depoimentos dos três. Crianças e adultos foram levados para os hospitais da região apresentando sintomas como vômitos, coceiras e olhos lacrimejantes. Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros de Rio Verde, Cléber Cândido, foi preciso um comboio de bombeiros e ambulâncias do Samu para o atendimento. 

As crianças foram levadas para hospitais de Montidiu e Rio Verde. Ainda não se sabe se o piloto sobrevoou a escola por engano na hora da pulverização, ou se o agrotóxico foi levado pelo vento. As crianças são moradoras de um assentamento do Incra situado entre os dois municípios.

Morte. Também no Sudoeste Goiano, na cidade de Jataí, a queda de um outro avião agrícola matou o piloto e empresário Romeo Leoncini Júnior, de 55 anos. Segundo a Rádio Verde Vale, ele caiu em uma plantação de milho onde fazia a pulverização de defensivos. Romeo era considerado um pioneiro na aviação agrícola em Goiás. Os Bombeiros localizaram o avião com o corpo do lado de fora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.