Aviões da Esquadrilha da Fumaça batem no ar

Quatro pilotos da Esquadrilha da Fumaça escaparam por pouco de morrer em um grave acidente, às 10h de ontem, na cidade de Santa Rita do Passa Quatro. Durante um treinamento de rotina, dois pilotos acabaram colidindo em pleno ar. Cada uma das aeronaves, do modelo T-27 Tucano, era ocupada por piloto e tripulante. Todos os quatro integrantes da esquadrilha conseguiram ejetar os assentos e saltar de pára-quedas, antes de os aviões se espatifarem no terreno da Usina Santa Rita, produtora de açúcar e álcool, às margens da Via Anhangüera. No momento da colisão, os pilotos treinavam a manobra conhecida por "espelho" - em que as aeronaves voam próximas, em linha, uma na posição normal e outra de ponta cabeça, em relação ao solo. O comando da Aeronáutica informou que uma das aeronaves era ocupada pelo major Luiz Francisco Tolosa e pelo capitão Márcio Guimarães de Oliveira; na outra, estavam o capitão José Márcio de Almeida e o tenente Fabrício Calomeno Machado. Os quatro eram experientes e têm folhas de vários anos de serviço na esquadrilha. Nenhum dos pilotos sofreu ferimentos Os pilotos caíram em uma região de mata fechada e foram resgatados cerca de uma hora depois, por helicóptero. Nenhum sofreu ferimentos. A Aeronáutica informou também que nenhuma pessoa foi atingida em solo pelos destroços da aeronaves, que se incendiaram ao cair. A área onde ocorreu a colisão é utilizada há vários anos pela Esquadrilha da Fumaça para treinamentos. O local fica a aproximadamente 10 km da área urbana de Santa Rita do Passa Quatro. Na hora do acidente, outras cinco aeronaves faziam manobras no local. Segundo o piloto César Andari, do Departamento de Comunicação Social da Aeronáutica, ontem mesmo foi aberto inquérito administrativo para apurar as causas da colisão. As aeronaves, segundo o órgão, estavam em perfeitas condições de operação e com a manutenção em dia. O T-27 Tucano é um avião de projeto e fabricação nacionais, produzido pela Embraer, e está em uso na esquadrilha desde 1983. O turboélice é considerado um dos melhores treinadores militares do mundo, por possuir excelentes características de manobrabilidade e instrumentação bastante avançada. Alcança uma velocidade máxima de 457 km/h. A Força Aérea Brasileira (FAB) também utiliza o modelo para treinamento de cadetes, na Academia da Força Aérea em Pirassununga (SP). Em maio de 2000, todos os Tucanos da Esquadrilha da Fumaça passaram por uma modernização estrutural, depois que foi verificado um desgaste nas asas dos aparelhos. A Esquadrilha da Fumaça comemora, em 2004, 52 anos de atividade. Com cerca de 3 mil demonstrações no currículo, o acidente de ontem foi o nono da história do grupo. Em dois dos acidentes houve mortes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.