Avós obtêm guarda provisória do filho de franceses mortos

O juiz de plantão no Tribunal de Justiça do Rio concedeu à avó materna do filho de 2 anos dos franceses Delphine Douyère e Christian Pierre Doupes a guarda provisória do menino. O casal, diretor da organização não-governamental Terr´Ativa, foi assassinado na última terça-feira, 27.A criança, que está com amigos de Delphine e Christian, vai morar na França com os avós. O consulado francês não informou quando ela, que pediu para não ser identificada, pretende viajar, mas na manhã de domingo haverá um culto em memória do casal na Igreja São José, na Lagoa, zona sul do Rio, e também de Jérôme Faure, de 42 anos, morto junto com eles. A avó materna foi ao Tribunal de Justiça do Estado requisitar a guarda do neto acompanhada do vice-cônsul da França no Rio, Marc Ivarra. "Eles estão chocados. Assim que ela tiver a guarda provisória, vai deixar o País", disse Ivarra. A família, de uma cidade no sudoeste da França, não quis dar entrevistas.O coordenador de projetos da ONG, Társio Ramires, foi preso em flagrante sob a acusação de homicídio, com outros dois acusados. Ajudado pelos franceses, ele é suspeito de ter desviado o pagamento de tributos e de salários de funcionários da ONG. Depois de uma cerimônia na Igreja São José, os corpos dos franceses só deverão ser liberados para traslado a partir da próxima quarta-feira.Texto atualizado às 19h30

Agencia Estado,

03 de março de 2007 | 17h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.