FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Azul é primeira a monitorar voo em tempo real

Companhia é pioneira nas Américas a adotar sistema que rastreia todas as fases da viagem; programa é resposta a voo da Malaysia

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2015 | 08h05

A companhia aérea Azul se tornou a quarta do mundo e a primeira nas Américas a adotar um sistema de rastreamento que identifica, em tempo real, os aviões em todas as fases do voo. Desenvolvido pela empresa de tecnologia aeronáutica Sita, o programa é uma resposta ao voo MH370, da Malaysia Airlines, que ia de Kuala Lumpur para Pequim e desapareceu dos radares de controle em 8 de março do ano passado.

“Geralmente, o monitoramento dos aviões é feito de tempos em tempos, de acordo com bases em terra e controle de tráfego aéreo. Mas há gaps, ou seja, momentos em que eles não são captados pelas estações terrestres. Então sua posição é estimada com base em previsões”, explica o vice-presidente da Sita no Brasil, Mauro Pontes.

O novo sistema, denominado Flight Tracker, reúne informações de diversas fontes para permitir que a companhia aérea acompanhe os aviões mesmo quando eles entram nesses “gaps”. São considerados dados terrestres, transmissões via rádio e satélite, planos de voo e, no Brasil, a rede de gestão do tráfego aéreo do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), da Aeronáutica.

A Azul adotou o Flight Tracker em agosto. “Com essas informações, temos condições de monitorar não só o posicionamento, como também todos os alertas e eventos ocorridos nas aeronaves, em tempo real”, informou a Azul em nota. “É uma forma bem mais efetiva de monitorar os voos, o que traz um significativo aumento da segurança de voo e praticidade para a equipe no centro de controle de operações.”

Se um dos 136 aviões da frota da Azul desvia da rota, por exemplo, o monitor de controle emite avisos e permite à empresa identificar o problema o mais rápido possível. Segundo a Sita, o Flight Tracker é o produto com a maior exatidão da indústria aérea e pode ser comparado ao GPS - que tem margem de erro, mas está em contato com várias fontes de informação.

Reação. O desaparecimento do avião da Malaysia Airlines, cujos destroços principais jamais foram encontrados, desencadeou um movimento por mais segurança entre as organizações aeronáuticas internacionais e as companhias aéreas.

A Organização da Aviação Civil Internacional (Icao, em inglês) e a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) criaram em maio do ano passado uma força-tarefa para avaliar as melhores soluções em rastreamento de voo. Em seguida, a Sita desenvolveu o Flight Tracker, cuja vantagem é a de usar tecnologias já existentes.

Mais conteúdo sobre:
Azul aviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.