Bahia proíbe venda de defensivo

Depois de várias mortes por envenenamento ocorridas nos últimos meses na Bahia provocadas pelo agrotóxico Temix 150 conhecido popularmente como "chumbinho", a Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Adab) decidiu proibir a venda do produto por 30 dias no território baiano. Utilizado como defensivo agrícola em lavouras como a da batata e do feijão, o "chumbinho", que só pode ser comercializado em casas de materiais agropecuários, com prescrição de agrônomos, vem sendo vendido ilegalmente em feiras livres de várias cidades como raticida.Os casos de envenenamento são inúmeros. Somente esta semana, duas pessoas foram assassinadas com a utilização do veneno: na cidade de Jequié, a adolescente Daiane Correia de 15 anos, morreu ao beber um refrigerante contaminado com chumbinho, oferecido pelo namorado Cláudio Barros. Em Salvador, depois de passar quase quatro meses internado, o pedreiro Celso Cerqueira de Jesus, morreu ontem envenenado pela própria filha a adolescente D.P.S. de 11 anos, irritada com o fato dele ser contra o namoro dela com o estudante Gildo Nascimento.Os 15 escritórios da Adab com o apoio da Polícia Militar fiscalizarão todos os postos de venda autorizada do Temix 150 para descobrir como o produto chega às feiras livres, tornando-se uma ameaça à população. Durante os 30 dias de proibição, os técnicos estudarão uma forma mais segura e rígida para a comercialização do defensivo nos revendedores cadastrados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.