Bahiatursa diz que identificação prejudicará turismo

As recentes medidas de fichamento em aeroportos brasileiros vão inibir a vinda de turistas americanos à Bahia no período de Carnaval. A avaliação é do presidente da Bahiatursa, órgão oficial de turismo, Cláudio Taboada, que espera "perdas consideráveis" no turismo de lazer, embora ainda não possa estimar os números da redução de estrangeiros na festa. Para Taboada, na queda de braço entre Brasil e Estados Unidos, a Bahia sairá perdedora. "Não sofreremos tanto no turismo de negócios, pois a Ford e a Monsanto continuarão a atrair americanos, nem no turismo religioso, em razão da visita de afro-descendentes à região do Recôncavo", disse. "Mas, sem dúvida, perderemos no turismo de lazer, porque ninguém gosta de sofrer constrangimentos, principalmente americano". O Carnaval será o indicador desta perda para o turismo de lazer da Bahia, que tem no americano o segundo maior público visitante. Taboada disse que o efeito será imediato, mesmo que o governo consiga reverter a determinação de fichamento dos turistas americanos, pois segundo ele, o estrago já foi feito. O secretário da Cultura e Turismo da Bahia, Paulo Gaudenzi, considerou uma "grande bobagem" a exigência. Para ele, se o governo está pensando em derrubar a reciprocidade alegada pela Justiça do Mato Grosso, precisa eliminar todas as dificuldades em relação à entrada dos turistas norte-americanos.O secretário considera absurda a reciprocidade que segundo ele, já é praticada pelo Itamarati na questão dos vistos. "Não se deveria sequer exigir vistos dos americanos, pois nós é que precisamos deles", afirmou Gaudenzi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.