Baianos homenageiam Santa Bárbara

O ciclo de festas religiosas do final de ano na Bahia foi aberto hoje em Salvador com as homenagens a Santa Bárbara e sua correspondente no candomblé, Iansã, conhecida como a "rainha dos raios e trovões". Milhares de fiéis, grande parte vestindo roupas vermelhas e brancas, as cores de Iansã, se dirigiram ao Pelourinho para saudar a santa em missas católicas e rituais afros. O cardeal-arcebispo de Salvador, Dom Geraldo Majella Agnelo, fez questão de celebrar a missa solene em louvor a Santa Bárbara, às 10 horas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, construída pelos escravos no século XVIII. Na missa, além das centenas de fiéis que lotaram a igreja, o sincretismo se fez presente: cantos sacros foram entoados ao som dos atabaques e agogôs, instrumentos usados nos terreiros de candomblé de Salvador, numa harmonia que nasceu com a colonização baiana. Após a missa, os fiéis levaram a imagem de Santa Bárbara e outros "convidados", São Lázaro, São Sebastião, São Miguel e São Gerônimo em cortejo pelas ruas do Centro Histórico. A procissão se dirigiu até o quartel do Corpo de Bombeiros, situado na Barroquinha, para novas homenagens, pois a santa é a padroeira dos bombeiros. No local, pais e mães de santo prepararam uma espécie de altar com uma imagem de Santa Bárbara e um alguidar de oferendas, onde colocaram os ingredientes do caruru (comida típica baiana preferida de Iansã, segundo os adeptos do candomblé) e dinheiro "para que seus devotos tenham um ano de fartura", explicou Edna Portela, uma das devotas. O pai de santo Arivaldo Vigas, um dos organizadores da festa levou uma bacia de uma espécie de "água benta", feita com alfazema, água de flores e ervas usadas no candomblé para aspergir nos fiéis que iam saudar Santa Bárbara. "As pessoas saem daqui maravilhosamente felizes", disse. Depois da parte religiosa, quando a procissão retornou para a igreja, os comerciante do Mercado de Santa Bárbara, situado próximo ao quartel dos bombeiros, serviram caruru de graça para 15 mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.