Bairro paulistano ganha coleta seletiva de lixo

O bairro de Cerqueira César, também conhecido como Jardins, sai à frente na modernização da coleta de lixo. Promovida pela iniciativa privada e apoiada pela Prefeitura, a partir de segunda-feira cerca de 60 condomínios da região começarão a participar da coleta seletiva, contando com os serviços da empresa Reclicagem. Para a advogada Célia Marcondes Smith, presidente da Sociedade de Amigos e Moradores de Cerqueira César (Samorcc), as vantagens da coleta seletiva são evidentes: "Além da diminuição de peso e volume do lixo recolhido pela Prefeitura, que alivia os aterros da cidade, é um importante trabalho social e ecológico." Segundo o contrato assinado com a Reclicagem, 2,5% de seu lucro, obtido com o lixo angariado, reverterá a favor da Samorcc. "A verba será investida na própria manutenção da entidade, e em possíveis ações sociais, com enfoque nos moradores de rua, que utilizam como abrigo as entradas das lojas durante a noite." Embora a empresa conte com 104 clientes, entre indústrias, bancos e conjuntos comerciais, ela vem coletando material reciclável em apenas três ou quatro condomínios residenciais. "Esse é o nosso primeiro grande projeto, um desafio a enfrentar", diz Caio Pereira de Queiroz, diretor da Reciclagem. O universo potencial de atuação da Samorcc compreeende cerca de 300 condomínios, além de estabelecimentos comerciais, como lojas, bares e restaurantes. "Num prédio de 24 apartamentos coletamos uma média de 300 kg de material reciclável por semana; o custo do caminhão, um motorista e dois coletores, para esses primeiros 60 edifícios, será de R$ 3,5 mil por mês", calcula Caio, afirmando que "o negócio só vai dar certo com o apoio dos moradores". A empresa e a Samorcc já começaram a dar cursos nos condomínios sobre como e por que separar o lixo. O funcionamento do sistema começa com a adesão dos moradores, que deverão separar o lixo em casa. São quatro os saquinhos necessários, para serem depositados nos contêineres coletivos, de quatro cores diferentes, segundo o critério internacional: verde para os vidros, vermelho para os plásticos, amarelo para metais e azul para papel e papelão. Os contêineres estarão revestidos com sacos plásticos maiores, também coloridos. Já a partir de segunda-feira os primeiros condomínios terão afixados na sua fachada um selo de metal com "Nós Reciclamos Nosso Lixo". É a sinalização para a parada do caminhão coletor, e um apelo para a adesão dos vizinhos ao movimento. "Os funcionários terão uniforme e crachá, e o veículo, a logomarca, por motivos de identificação e segurança", conta Célia. O projeto foi autorizado pela administradora regional de Pinheiros, Beatriz Pardi: "É um exemplo a ser seguido pela cidade toda."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.