Baixada cultua memória de Covas

A Rodovia dosImigrantes poderá chamar-se Rodovia Governador Mário Covas se anteprojetos nessesentido, apresentados pelos deputados Edmur Mesquita (PSDB) e Carlão Camargo (PFL)forem aprovados pela Assembléia Legislativa. Essa proposta pode não ser concretizadase prevalecer a intenção dos parlamentares que formam o colégio de líderes de dar onome de Mário Covas ao rodoanel. "Vou conversar com o presidente da Casa, que seráeleito nesta quinta-feira, para tornar viável essa idéia de dar o nome à estrada, querepresenta um anseio da população da Baixada Santista", explicou Mesquita.Enquanto isso, a prefeitura de Santos decidiu instalar provisoriamente o MemorialMário Covas na Estação Ferroviária da antiga Santos-Jundiai, cujas obras derestauração estão em fase de licitação.O local foi escolhido por representar umaárea que emocionou Covas durante uma visita feita no início do ano passado, quandoele ofereceu R$ 3 milhões para a recuperação do Largo Marquês de Monte Alegre, queengloba a estação, a Igreja de Santo Antônio do Valongo, de 1641, e os Casarões doséculo 19, que abrigarão o Memorial, em definitivo, dentro de alguns anos.Segundo o prefeito Beto Mansur (PPB), a idéia é transformar o Largo do Valongo noComplexo Mário Covas. As obras começarão pela restauração da estação ferroviáriaconstruída pelos ingleses da São Paulo Railway Co., em estilo vitoriano e inauguradaem 1867. Essa obra custará cerca de R$ 800 mil e será realizada com recursos dogoverno federal, autorizados por Covas. Concluída, a estação receberá o Museu daCidade e o Memorial, que posteriormente serão transferidos para os antigos casarões,construídos entre 1867 e 1872, em estilo neoclássico e que foram sede da prefeitura eda Câmara até 1939. Depois disso, os prédios foram ocupados por escritórios, bares ehotel e seu tombamento pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico,Arquitetônico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) ocorreu em 83.Doisincêndios acabaram por destruir o prédio histórico em 85 e 92, restando apenas asparedes externas, em ruína.Como as obras da estação ferroviária estão em fase de licitação, serão concluídasantes. Daí surgiu a idéia de instalar o acervo do Museu da Cidade e do Memorial Covasprovisoriamente no local.Para a concretização do Memorial, o prefeito Beto Mansur(PPB) pretende envolver amigos pessoais de Covas, a administração e a comunidade, nafundação que cuidará do projeto.Os recursos serão obtidos em parceria entre aprefeitura, o Estado e a iniciativa privada. O objetivo é construir uma estátua emhomenagem ao governador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.