Baixaria na eleição para o TCE do Rio

Troca de acusações começou porque Aloysio Guedes, novo conselheiro, foi preso em 1983[br]por tráfico de drogas

Alfredo Junqueira, do Rio, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2010 | 00h00

A eleição de Aloysio Neves Guedes para ocupar a uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio provocou um festival de baixarias e troca de acusações na noite de anteontem na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Jornalista, advogado e funcionário público de carreira, Aloysio foi preso em junho de 1983 acusado de tráfico de drogas. Ele admite que tinha amigos que usavam entorpecentes, mas afirma jamais ter feito uso de tóxicos ? alegando ter sido vítima de um flagrante forjado.

Segundo reportagens da época, uma equipe da Delegacia de Entorpecentes da Polícia Civil encontrou 200 gramas de cocaína, sementes de maconha, seringas usadas, entre outros materiais para consumo e preparo de drogas, no apartamento de Guedes, em Ipanema, zona sul do Rio. Ele e três amigos foram presos em flagrante.

Aloysio foi condenado em primeira instância, mas acabou absolvido quando o processo subiu para a 4.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio.

Eleição. O caso foi apresentado durante os debates em plenário. O deputado José Nader Júnior (PTB), que teve sua candidatura a mesma vaga no TCE impugnada pela Mesa Diretora da Alerj, levou recortes de jornal e questionou na tribuna: "Como é que os deputados votarão em uma pessoa que saiu no jornal O Globo, no dia 26/06/83, que foi presa por tráfico de droga? Por tráfico de drogas, e eu, com o meu direito cerceado", questionou o parlamentar.

Nades Júnior é filho do conselheiro aposentado e ex-presidente da Alerj, José Nader. Ele chegou a entrar com pedido de liminar na Justiça, mas o recurso foi negado.

Pai e filho foram dois dos alvos da Operação Pasárgada da Polícia Federal. Concluída em junho de 2008, a investigação descobriu um esquema de tráfico de influência e venda de sentenças nos tribunais de contas do Rio e de Minas.

Nader Filho chegou a ser indiciado pela PF por corrupção passiva e formação de quadrilha, mas o processo está parado no STJ. O deputado ainda é alvo de processo de cassação que está parado há mais de um ano na Mesa da Alerj. Os dois negam as acusações.

Bate-boca. Presidente da CPI do TCE, que investiga irregularidades supostamente cometidas pelos conselheiros do órgão, a deputada Cidinha Campos (PDT) também foi à tribuna. Defendeu o novo conselheiro e atacou Nader Júnior com veemência. Cidinha chamou Nader de "ladrão" diversas vezes e deputados tiveram que intervir para interromper o bate boca entre os dois.

Chefe de gabinete da Presidência da Casa nos últimos 16 anos, tendo trabalhado para o atual governador Sérgio Cabral (PMDB) e o deputado Jorge Picciani (PMDB), Aloysio foi escolhido por 54 dos 70 parlamentares e passará a ganhar um salário vitalício de R$ 26 mil.

Venceu deputados e técnicos experientes do TCE-RJ. Emocionado, disse que a Justiça reabilitou sua reputação. "Tive que recomeçar a viver aos 37 anos", disse o novo conselheiro, que, hoje, tem 63.

Aloysio disse que foi vítima de uma tentativa de extorsão de policiais e que sua prisão precisa ser entendida com o que acontecia no Rio de Janeiro na época.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.