Baleia encalha na Baía de Guanabara, em Niterói

O encalhe de uma baleia ontem pela manhã na praia de Imbuhy, na saída da Baía de Guanabara, em Niterói, região metropolitana do Rio, mobilizou 83 homens do Exército e mais de 30 bombeiros da Defesa Civil. O animal da espécie jubarte, media 10 metros de comprimento e pesava entre oito e dez toneladas, segundo os cálculos do coordenador das Forças Especiais do Corpo de Bombeiros, coronel Marcos Silva. Até o início da noite de ontem, não haviam conseguido devolvê-la ao mar.A baleia encalhou na areia antes das 9 horas e os moradores da praia, que fica dentro de uma área restrita do Exército, chamaram a Defesa Civil. Um pequeno grupo chegou e logo vieram os soldados do Exército. "Estávamos em instrução e viemos tentar ajudá-la, mas era muito pesada. Nem os bombeiros e os soldados juntos conseguiram movê-la", contou o oficial do dia, tenente Eric Lessa, enquanto uma lancha da Defesa Ckivil e uma traineira tentavam, sem sucesso, rebocar a baleia, que se debatia sem conseguir se soltar em direção ao mar.Por volta de 13 horas, chegou o reforço da Defesa Civil com o comandante Marcos Silva, mas ele garantiu que dificilmente seria possível mover a baleia sem um rebocador. "É preciso envolvê-la numa rede para não machucá-la e rebocá-la assim", explicou ele. O rebocador chegou por volta de 16 horas, mas foi embora logo depois porque não conseguiu se aproximar da praia. O mar estava muito agitado e a profundidade não era suficiente para seu calado. "Talvez ela saia sozinha quando a maré chegar à altura máxima, lá pelas 19h30", comentou a bióloga da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, chamada para auxiliar no trabalho. "Se não conseguir se libertar, temos que pensar em outra forma de salvá-la ou esperar o rebocador. Ainda bem que não está fazendo calor e não há tanto perigo de sua pele ressecar, mas ela já está enfraquecida."O coronel Marcos Silva contou que já salvou outra baleia na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. Segundo os moradores, aquela foi a primeira jubarte a aportar naquela praia, mas lá é comum aparecerem golfinhos e pingüins. Até o fim da tarde de ontem, a baleia continuava encalhada e se debatendo suavemente, mas não havia previsão de um novo rebocador chegar lá antes da manhã de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.