Divulgação.
Divulgação.

'Bancada de milionários' supera a do PT

Levantamento mostra que parlamentares têm, em média, patrimônio de R$ 2,4 milhões; fortuna de 194 deputados supera a casa de R$ 1 milhão

Alfredo Junqueira / RIO, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2010 | 00h00

As declarações de bens entregues à Justiça Eleitoral pelos 513 deputados federais eleitos no domingo mostram que o parlamentar brasileiro tem, em média, um patrimônio de R$ 2,4 milhões. A fortuna acumulada pelos representantes do povo na Câmara soma R$ 1,23 bilhão.

Levantamento feito pelo Estado na base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revela ainda que 194 deputados têm patrimônio superior a R$ 1 milhão. A bancada dos milionários representa 37,8% do total da Câmara e é superior à soma das cadeiras obtidas pelo PT (88) e o PMDB (79), os partidos com a maior representação no parlamento.

Levando-se em consideração que o rendimento médio do trabalhador brasileiro é de R$ 1.472,10, de acordo com a última Pesquisa Mensal de Emprego divulgada no dia 23 pelo IBGE, seriam necessários mais de 125 anos para que um assalariado conseguisse somar recursos suficientes para se equiparar à fortuna média dos parlamentares - isso se não gastasse nada de seu salário ao longo desse tempo.

A maior parte dos 513 deputados registrou atividades políticas como principal ocupação ao fazer o registro de candidatura na Justiça Eleitoral. São 271 deputados, 12 vereadores e três senadores. Ou seja, os políticos profissionais representam 55,7% do parlamento. O total de empresários eleitos chega a 36. Advogados são 24 e médicos, 22. E há representantes, na Câmara, de outras 34 atividades profissionais.

O deputado federal mais rico, de acordo com os dados do TSE, é o usineiro João Lyra (PTB-AL). Seu patrimônio declarado é de R$ 240,4 milhões. Apenas a sua Usina Laginha Agroindustrial é avaliada em R$ 196 milhões. Em segundo lugar, bem distante, está o industrial Alfredo Kaefer (PSDB-PR), com R$ 95,7 milhões. O pódio dos milionários é completado pelo veterano político e empresário mineiro Newton Cardoso (PMDB-MG), com R$ 77,9 milhões.

Partido rico. A fortuna de Lyra faz do PTB o partido com a maior riqueza média entre as legendas representadas na Câmara. Seus 21 deputados somam R$ 285,2 milhões em patrimônio declarado - média de R$ 13,6 milhões por parlamentar.

O PR e seus 41 deputados vêm em seguida. O patrimônio médio dos parlamentares da sigla é de R$ 4 milhões.

Campeão de votos e principal puxador da legenda em São Paulo, o comediante Tiririca não colaborou nesse somatório. Ele é um dos 18 deputados que declararam ao TSE não possuir nenhum patrimônio.

O terceiro partido mais rico é o PSDB. Na média, os tucanos na Câmara do Deputados têm R$ 3,5 milhões de patrimônio pessoal. O PT é o 15.º colocado. A riqueza média da bancada petista é de R$ 533 mil.

O número de milionários na Câmara dos Deputados e o volume total de patrimônio ainda podem aumentar, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) derrube a validade da Lei da Ficha Limpa - o julgamento terminou empatado com 5 votos a favor e 5 contra.

O caso mais emblemático é o do deputado Paulo Maluf (PP-SP), que recebeu 500 mil votos e declarou R$ 39,5 milhões em patrimônio. Caso Maluf consiga validar os votos que recebeu, o PP paulista ainda ganha mais uma cadeira para o deputado Vadão Gomes, que declarou R$ 192,5 milhões em bens à Justiça Eleitoral.

QUEM TEM MAIS

1º) João Lyra

PTB de Alagoas

R$ 240.395.155,75

2º) João Kaefer

PSDB do Paraná

R$ 95.728.260,00

3º) Newton Cardoso

PMDB de Minas Gerais

R$ 77.956.890,08

4º) Sandro Mabel

PR de Goiás

R$ 70.992.163,06

5º) Reinaldo Azambuja

PSDB de Mato Grosso do Sul

R$ 31.907.723,00

6º) Dona Iris

PMDB de Goiás

R$ 14.173.468,69

7º) João Maia

PR do Rio Grande do Norte

R$ 14.116.205,00

8º) Paulo Magalhães

DEM da Bahia

R$ 14.046.149,19

9º) Julio Campos

DEM do Mato Grosso

R$ 12.894.052,71

10º) Edmar Arruda

PSC do Paraná

R$ 12.396.842,85

11º) Gabriel Chalita

PSB de São Paulo

R$ 12.367.787,13

12º) Jorge Corte Real

PTB de Pernambuco

R$ 11.633.925,27

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.