Banco de dados vai dar suporte à polícia paulista

Uma nova tecnologia a ser aplicada pelo Departamento de Inteligência Policial (Dipol), da Polícia Civil, vai facilitar as investigações sobre narcotraficantes e quadrilhas de ladrões de carros e de cargas em São Paulo.O novo departamento, que começou a funcionar nesta quarta-feira, tem um centro de inteligência que fornecerá informações para toda a polícia. Seu banco de dados abastecerá os departamentos comdetalhes para a montagem de ações estratégicas."É um sonho que hoje se tornou realidade. Temos alta tecnologia para combater o crime, a exemplo das polícias dos Estados Unidos e da Europa", afirmou o delegado-geral de polícia Marco Antonio Desgualdo.O novo serviço de inteligência vai cruzar informações com o auxílio de um computador, que custou US$ 2 milhões à Secretaria da Segurança Pública de São Paulo.Com os recursos tecnológicos, o novo departamento poderá repassar à polícia retratos-falados, fotos,vídeos, gravações de voz e monitoramento telefônico. "São meios que irão ajudar o trabalho do policial nas ações de combate à criminalidade", afirmou osecretário da Segurança, Saulo de Castro Abreu Filho.Os delegados e investigadores do Dipol foram treinados na Academia da Polícia Civil especialmente para trabalhar com informática e na elaboração de ações para identificar elocalizar criminosos.Trinta agentes farão ainda este ano curso degestão de informações de segurança pública nas Universidades de Brasília (UnB) e Estadual Paulista (Unesp). Entre os professores estarão técnicos das polícias do Canadá e dos Estados Unidos.O diretor do Dipol, Massilon José Bernardes Filho,declarou que um convênio será firmado para troca de informações com o FBI - a Polícia Federal americana - e as polícias da França e da Itália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.