Bandido rouba carne e entrega na favela

Dois foram presos pelos saques e a carga voltou para o açougue

Rejane Lima, O Estadao de S.Paulo

07 de maio de 2009 | 00h00

Candidato a Robin Hood dos tempos atuais, um personagem mítico medieval que roubava dos ricos para dar aos pobres, um homem assaltou um caminhão frigorífico anteontem em São Vicente, na Baixada Santista, e levou a carga para ser saqueada por moradores de uma favela, no bairro Humaitá. De acordo com o delegado titular do 3º Distrito Policial de São Vicente, Marcos Alexandre Alfino, a carga pertencia a um açougue da cidade, que fazia a distribuição do produto em um pequeno caminhão baú.A ação criminosa começou às 13 horas de terça-feira, quando um homem rendeu o motorista do caminhão e o seu assistente, no bairro Vila Mariana. Ele obrigou o motorista a seguir com o veículo até a Favela Mangue Seco, no Humaitá. Chegando lá, o homem mandou o motorista abrir o baú do caminhão e instigou a população da comunidade a saquear a mercadoria - peças de carnes, de frango e de linguiça. Quando o caminhão já estava vazio, o assaltante mandou então o motorista, sem ferimentos, ir embora. Por volta das 15 horas, a Polícia Militar recebeu uma ligação anônima de que havia um caminhão frigorífico tendo sua carga saqueada na favela. Quando policiais militares chegaram ao local, os populares que saqueavam a carga correram para fugir do flagrante. A partir daí, os homens do 39º Batalhão da Polícia Militar de São Vicente realizaram buscas a pé pela favela, conseguindo recuperar parte da mercadoria saqueada. Em duas casas vizinhas, havia 103 quilos de peças dos produtos. PRISÕESDuas pessoas foram detidas e encaminhadas ao 3º DP, onde foi registrado boletim de ocorrência pelo de crime de receptação . No entanto, segundo o delegado Marcos Alexandre Alfino, os moradores foram dispensados ao afirmar que haviam pegado a carne do chão e não do caminhão frigorífico saqueado horas antes. Apesar do BO por receptação, o motorista e o ajudante não registraram queixa de roubo da carga levada pelos moradores, temendo uma retaliação do criminoso. A mercadoria apreendida foi devolvida ao proprietário do açougue.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.