Bandidos fazem arrastão em prédio de Higienópolis

Moradores passam 2 horas reféns

, O Estadao de S.Paulo

23 Fevereiro 2009 | 00h00

Uma quadrilha realizou um arrastão na noite de anteontem em um prédio da Rua Piauí, em Higienópolis, região central de São Paulo. Os criminosos fizeram reféns moradores, funcionários e empregados por quase duas horas. O proprietário de um dos apartamentos chegou a ser agredido. Os quatro ladrões fugiram levando dinheiro, joias e eletrodomésticos. Ninguém havia sido preso até as 23 horas de ontem.Para dificultar o trabalho da polícia, os bandidos tiveram o "cuidado" de levar o monitor e as fitas do circuito interno de TV que gravavam as entradas e os elevadores do condomínio. Duas pistas foram deixadas pelos assaltantes: uma camiseta e uma chave, esquecidas em dois dos apartamentos invadidos. Peritos do Instituto de Criminalística estiveram ontem no prédio em busca de pistas que possam levar à prisão dos assaltantes.A invasão ocorreu às 20h30, quando um dos moradores saía para levar o cachorro para passear. Sem que ele percebesse, um homem armado, aparentando ter 30 anos e vestindo moletom azul e boné preto, entrou no prédio e anunciou o assalto. Em seguida, o bandido usou um telefone celular para acionar seus três comparsas.Enquanto o porteiro permanecia na guarita sob a mira de um revólver, os demais assaltantes se encarregavam de fazer outras vítimas. Uma empregada doméstica foi rendida no hall do prédio e teve de levar os bandidos até o apartamento onde trabalha - no local, foram subtraídos cerca de R$ 2 mil em dinheiro.Segundo a polícia, a quadrilha entrou em pelo menos outros dois apartamentos, incluindo o do síndico. Em depoimento, as vítimas disseram que os bandidos "questionavam insistentemente onde estava o cofre". Um médico chegou a ser agredido por dizer que não possuía cofre em casa.Às 22h10, um Ford Fiesta preto parou diante do condomínio. Os quatro criminosos deixaram o prédio, entraram no carro e fugiram. O caso foi registrado no 4º Distrito Policial (Consolação).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.