Bandidos roubam carros, assaltam pedestres e trocam tiros no Rio

Pelo menos seis homens armados de pistolas e um fuzil, nesta quinta-feira, espalharam pânico pelas ruas de três bairros da zona norte do Rio de Janeiro. Eles roubaram carros, assaltaram pedestres e trocaram tiros com a Polícia Militar. Na fuga, invadiram uma casa e fizeram duas mulheres reféns. Os PMs mataram um dos criminosos e conseguiram libertá-las. O restante do bando fugiu.Os criminosos deixaram o Morro do Urubu, em Pilares (zona norte), em dois carros. Às 6h30, eles fecharam a Rua Padre Manoel da Nóbrega e levaram o Renault Clio da enfermeira Viviane Cruz de Mello, de 29 anos, que ia para o trabalho. Eles seguiram adiante e bateram o Clio no Corsa do advogado Paulo Renato, de 36 anos. O carro também foi levado.Os assaltantes, então, contornaram o quarteirão e assaltaram pedestres em três pontos de ônibus. Eles levaram celulares, carteiras e bolsas. Na Rua Moacyr de Almeida, em Tomás Coelho, os criminosos obrigaram a motorista de um Citröen a parar. Ela fazia transporte escolar e levava uma criança, que nada sofreu. "Eu realmente fiquei calma. Fiquei só preocupada com a criança, que ficou chocada, e porque tinha muita gente ali e todos os bandidos estavam armados. Qualquer disparo poderia atingir uma pessoa", disse ela."Logo em seguida,eles se depararam com duas patrulhas nossas e teve início o confronto. Alguns fugiram, mas outros trocaram tiros mesmo. Um dos carros, um Honda Civic, bateu no meio fio e foi abandonado. Dois deles invadiram uma casa", contou o comandante do 3º Batalhão (Méier), coronel Mauro Teixeira.Na casa, estavam uma mulher de 70 anos e a filha dela. Elas foram tomadas como reféns. A polícia invadiu a residência e matou um dos criminosos. "As reféns nada sofreram, além do trauma", afirmou Teixeira.Os criminosos ainda roubaram um Celta e retornaram para o Morro do Urubu. Ninguém foi preso. A zona norte registra o maior número de roubo de carros da cidade. De acordo com Teixeira, o fato de os criminosos terem se deparado com policiais já é sinal do aumento do policiamento na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.