Bandidos tentam assaltar delegado e se dão mal no Rio

Os assaltantes do Rio não temem nem os delegados de polícia. Menos de 24 horas depois de o coordenador de Delegacias da Baixada Fluminense Ricardo Martins, de 56 anos, ser baleado por bandidos que tentaram roubar seu carro, em Irajá, zona norte do Rio, o delegado da Polícia Federal (PF) Victor Hugo Poubel também sofreu uma tentativa de assalto, no Cachambi, zona norte. Poubel baleou dois dos três homens armados que anunciaram o assalto e prendeu o terceiro. O delegado da PF, que é titular da delegacia do Aeroporto Internacional do Galeão, estava em seu Astra quando o grupo anunciou o assalto, hoje à tarde. Ele reagiu e houve troca de tiros. O bandido Thiago Matos de Oliveira, de 18 anos, foi ferido na perna. Outro, cuja identidade não foi divulgada, levou um tiro de raspão no pé. O menor R.C., de 15 anos, foi preso e levado para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. Ricardo Martins foi submetido a uma cirurgia para retirada da bala que se alojou no peito - ele foi atingido ainda na axila e no fêmur. O delegado não corre risco de vida. Ele foi abordado por volta das 21h30 quando estacionava o carro, um Fiat Marea, em sua garagem, em Irajá, zona norte. Como Poubel, Martins também foi assaltado por três homens, reagiu e trocou tiros com os bandidos. Muito abalada, a mulher do delegado, Delma Batista Martins, disse que o marido é vítima da profissão que escolheu. "Esse é o futuro de todo policial honesto", desabafou. Baleado durante assalto com tiros de pistola na cabeça e no abdômen, por volta das 22h30 de anteontem, o sargento do 7º Batalhão da PM (São Gonçalo) Rubens Vieira morreu ontem de manhã, no Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio. Ele estava de folga e dirigia seu táxi quando foi interceptado por um carro na Avenida Presidente Vargas, uma das vias mais movimentadas do centro da cidade. A polícia não sabe ainda se o PM foi vítima de uma tentativa de assalto ou vingança. Durante a madrugada, um carro do 16º Batalhão da PM (Olaria) foi metralhado por bandidos que ocupavam um Vectra e furaram uma blitz montada pelos policiais na Cidade Alta, em Cordovil, zona norte. O carro era ocupado por quatro homens. Nenhum deles foi preso e nenhum policial se feriu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.