Bandidos usam grafite na guerra contra PM em São Paulo

Na noite de quinta-feira, durante um patrulhamento pelas ruas que circundam a Favela do Morro do Samba, em Diadema, na Grande São Paulo, policiais civis localizaram, na Rua Botucudos, um muro grafitado com a imagem de bandidos massacrando policiais militares. O grafiteiro já foi detido. Às 4 horas da madrugada desta sexta-feira, o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado desencadeou uma operação especial com o objetivo de evitar novos ataques a bases policiais. O grafite mostra um veículo das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota) capotada e um grupo de PMs, cobertos de sangue, sendo baleados por bandidos, um deles usando um boné com as iniciais MDS (Morro do Samba). Segundo a polícia, o grafite teria sido pintado a mando de um traficante chamado José Dilson, o Birosca, ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Mesmo preso em Mirandópolis, no interior de São Paulo, ele continuaria a comandar o tráfico em vários pontos da Grande São Paulo.A Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) de Diadema já deteve o responsável pelo grafite, que vai responder por liberdade pelo crime de apologia.Operação especial - Dezenas de agentes do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado, iniciaram às 4h desta manhã, uma operação especial pelas ruas da capital paulista com o objetivo de evitar novos ataques a bases policiais. Duas bases da PM foram alvos de atiradores, uma pertencente à 1ª Companhia do 9º Batalhão, na avenida Braz Leme, em Santana, zona norte, e outra da Avenida Doutor Guilherme Dumont Villares, da 6ª Companhia do 16º Batalhão, no bairro do Morumbi, na zona sul. Nos dois episódios, ninguém foi baleado, mas dois policiais militares ficaram feridos com estilhaços dos vidros destruídos pelos tiros.Suspeitos presos - Policiais militares que trabalham em uma Base Comunitária Móvel da 1ª Companhia do 11º Batalhão instalada na Rua Santo Antonio, junto à Praça Craveiro Lopes, no bairro do Bexiga, região central da capital paulista, acreditam ter evitado mais um ataque contra uma das bases da corporação. Três adolescentes e uma mulher grávida chamaram a atenção dos policiais após passarem várias vezes, ocupando um Ford Fiesta 4 portas, em frente ao trailer usado como base móvel. Os policiais foram atrás e, ainda na Rua Santo Antonio, abordaram o veículo, que havia sido roubado no dia último dia 11. Um dos adolescentes ainda tentou correr e entrou em um taxi, mas foi detido também. Um revólver calibre 38 foi apreendido com o grupo. Todos os suspeitos foram levados ao 5º Distrito Policial, da Aclimação. Ainda não foi informado se os suspeitos iriam mesmo atacar a base ou se estariam estudando a região para passar algumas coordenadas a possíveis integrantes do grupo que está atacando bases da PM paulista.

Agencia Estado,

13 de janeiro de 2006 | 06h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.