Bando armado tenta invadir Bangu 3, no Rio

Um grupo de criminosos armados com fuzis tentou invadir o presídio Bangu 3, no complexo depenitenciárias da zona oeste, na noite desta terça-feira. Pouco antes das 22 horas, o bando seaproximou do presídio pelos fundos, onde há um lixão, e foi repelido a tiros por policiaismilitares do 14º Batalhão (Bangu).Na confusão, presos iniciaram um motim em uma dasgalerias de Bangu 3. Segundo a polícia, eles teriam tomado dois agentes penitenciárioscomo reféns. Homens do 14º Batalhão cercaram o presídio, com o reforço dos batalhões de Operações Especiais (Bope) e de Choque. Não há informação sobre feridos.Um dos traficantes preso em Bangu 3 é Isaías da Costa Rodrigues, o Isaías do Borel, ligado ao Comando Vermelho, mesma facção criminosa de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar.Em 11 de setembro, Beira-Mar participou de uma rebelião que durou 23 horas, na qual quatro detentos foram assassinados, e o presídio Bangu 1,destruído. Os traficantes Beira-Mar, Marco Antônio Pereira da Silva, o Mighty Thor,Márcio Silva Macedo, o Márcio Gigante, Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, Marcos Marinho dos Santos, o Chapolim, acusados de participar da rebelião, foram transferidos para o Batalhão de Choque da PM dois dias depois.No mesmo dia da transferência, a governadora Benedita da Silva anunciou a exoneração do então diretor do Departamento do Sistema Penintenciário do Rio (Desipe), Edson de Oliveira Rocha Junior, e a criação do Regime Especial de Segurança - semelhante ao existente em São Paulo - para presos de alta periculosidade, como Beira-Mar.O major da PM Hugo Freire de Vasconcelos Filho, que atuava no setor de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública, assumiu a direção do Desipe, que passou a ficar diretamente ligado a essa pasta, embora oficialmente continue subordinado à Secretaria de Justiça, comandada pelo secretário Paulo Saboya, numa espécie de intervenção branca.No último dia 9, Mighty Thor, Márcio Gigante, Marcinho VP e Chapolim, se amotinaram e destruíram a cela que ocupam no Batalhão de Choque, depois que não tiveram reivindicações atendidas. Eles foram contidos com bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e disparos de festim.Na ocasião, a Secretaria da Segurança Públicaafirmou que os presos começariam a voltar para Bangu 1 nesta terça, quando estariam prontasas obras de recuperação da unidade. O presídio já recebeu bloqueadores de celular.Além dos já citados, também estão no Choque os traficantes Marcos Tavares, o Marquinho Niterói, e Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, principal acusado da morte do jornalista Tim Lopes, da Rede Globo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.