Bando assalta comando da PM em São Paulo

Em uma ação considerada pela própria Polícia Militar de São Paulo a mais ousada praticada contra a corporação nos seus 169 anos de existência, um grupo de bandidos armados invadiu, na madrugada desta terça-feira, a sede do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-2 (CPA/M-2), responsável por parte do policiamento da zona sul da capital, e, após dominar um policial, roubou 4 metralhadoras, 21 pistolas e 2 revólveres.Minutos depois, os assaltantes fugiram sem deixar pistas. Até a tarde desta terça, a PM não dispunha de informações sobre como o grupo saiu do local - a pé, de carro ou de motocicleta.Somente dois homens foram vistos dentro do prédio, mas a polícia acredita que o número de assaltantes seja bem maior. Todos os policiais que estavam na sede do comando na hora da invasão foram encaminhados à Corregedoria da PM para prestar depoimentos que possam ajudar na identificação dos autores do crime. Nenhuma hipótese é descartada, nem mesmo a de participação de policiais no caso.OusadiaA ação é considerada muito mais ousada que um resgate de presos numa delegacia, onde, num plantão, há, no máximo, quatro policiais (delegado, escrivão, investigador e carcereiro).Desta vez, o número de policiais que estava no local era, no mínimo, três vezes maior, pois no terreno localizado no bairro do Aeroporto, zona sul, situam-se o prédio do CPMA-2, a sede do 12º Batalhão da PM e a do 2º Sub-Grupamento do Corpo de Bombeiros. Além disso, a movimentação dos policiais durante todo o dia e noite é bastante intensa, porque no local há uma bomba de gasolina que serve para abastecer os carros da PM que circulam pela região.RapidezA polícia acredita que os assaltantes entraram no terreno pulando o alambrado. Em seguida, caminharam imediatamente para a sala onde estavam guardadas as armas.Eles sabiam exatamente a localização da sala. Lá, dominaram um policial que tomava conta do local e acabava de voltar do banheiro. A ação foi rápida.Apenas um policial teria visto os bandidos. Os outros estavam espalhados pelas várias salas do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.