Bando é perseguido há quatro dias na caatinga da Bahia

Completou quatro dias, hoje, a perseguição, na caatinga baiana, de policiais federais e militares aos remanescentes do bando da Família Araquan ,que assaltou a agência do Banco do Brasil da cidade de Pilão Arcado, norte do Estado, levando pelo menos R$ 150 mil. Cinco pessoas morreram na ação: um agente federal, um pedreiro e três bandidos entre eles os primos Cleiton e Valter Araquan considerados os chefes da quadrilha. Após o assalto cerca de cem policiais passaram a perseguir os 12 bandidos que conseguiram furar o cerco em Pilão Arcado. No final de semana um grupo de sete assaltantes teria sido cercado no Morro do Sarango, a cinco quilômetros da cidade.Conforme os policiais que têm o apoio de dois helicópteros na perseguição, quatro bandidos estão feridos. No entanto mesmo enfrentando toda sorte de adversidade, os assaltantes que fogem à pé no meio da caatinga, conseguiram mais uma vez furar o cerco policial e alcançar o Rio São Francisco onde renderam um barqueiro, obrigando-o a transportá-los até a Ilha de Canjuí que pertence ao município de Sento Sé. Policiais da Bahia, Pernambuco, Maranhão, Piauí e Brasília participam do cerco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.