Bando faz 13 reféns em mercado

Criminosos, em arrastão, roubam eletroeletrônicos em Diadema

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

29 de julho de 2008 | 00h00

Doze criminosos fizeram um arrastão, ontem de madrugada, no hipermercado Carrefour da Avenida Presidente Kennedy, na região central de Diadema, na Grande São Paulo. A ação durou duas horas. Treze pessoas, entre seguranças e funcionários, foram feitas reféns. O bando fugiu com eletroeletrônicos e o aparelho de circuito interno, além de um revólver calibre 38 de um dos vigias. Não houve feridos. Nenhum criminoso foi preso até as 23 horas de ontem.Os assaltantes, armados e encapuzados, chegaram às 2h30. A loja estava fechada. Dois vigilantes foram dominados. Em seguida, os criminosos renderam 11 funcionários. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), os reféns tiveram de formar uma fila e, desta forma, foram amarrados. Os ladrões exigiram que todos eles entregassem os seus aparelhos de telefone celular.Um criminoso ficou vigiando os reféns, enquanto o resto da quadrilha entrou no depósito em busca de aparelhos eletroeletrônicos. Juntaram o que puderam. Ontem, o Carrefour ainda não havia informado à polícia o valor total do prejuízo.Ainda de acordo com a SSP, os ladrões tentaram arrombar dois caixas eletrônicos com um maçarico. Primeiro, atacaram o equipamento do Banco Itaú, sem sucesso. Desistiram e passaram para o caixa eletrônico do Banco do Brasil. Novamente, não conseguiram retirar dinheiro. A quadrilha, então, abortou o plano. Parte do bando arrancou o equipamento de monitoramento e gravação das dependências da loja. Às 4h30, saíram do supermercado com os eletroeletrônicos e a arma de um dos vigias.Mais tarde, os funcionários e os vigias foram ao 1º Distrito Policial da cidade, onde o caso foi registrado. Prestaram depoimentos e foram liberados.Um representante do Carrefour deve ir à delegacia nos próximos dias com a lista dos produtos roubados pela quadrilha. Ontem à tarde, a reportagem procurou a Assessoria de Comunicação do supermercado, mas não conseguiu entrar em contato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.