Alexandre de Souza/Correio Mariliense
Alexandre de Souza/Correio Mariliense

Bando invade jornal e tenta incendiar gráfica

Polícia investiga se crime no 'Correio Mariliense' teve motivação política; ladrões levaram computador e atearam fogo em cinco rolos de papel

Jair Aceituno ESPECIAL PARA O ESTADO MARÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2010 | 00h00

A gráfica do jornal Correio Mariliense, em Marilia (435 quilômetros de São Paulo), foi arrombada e quase teve o prédio incendiado no fim da tarde de anteontem. Os invasores retiraram do local um computador, ferramentas e uma lata de graxa, avariaram a instalação elétrica e colocaram fogo em rolos de papel distribuídos em cinco pontos diferentes.

A ação foi descoberta às 20h45 pelo funcionário Michel Gomes que, ao chegar ao prédio para trabalhar, encontrou a porta semiaberta e fogo em um dos rolos de papel. Dos dois computadores existentes na gráfica, os ladrões levaram o de maior capacidade, utilizado na pré-impressão do jornal. Essa escolha pelo equipamento de uso específico intriga os funcionários, principalmente porque outros equipamentos, inclusive impressoras, continuaram no local. Peritos coletaram material e provas do crime e devem apresentar um laudo em até 30 dias. Por enquanto, a polícia não tem suspeitos.

O diretor do jornal, Flávio Alpino, estima em R$ 50 mil os prejuízos e, pelo menos até agora, não arrisca uma motivação para o crime. "Não sei se foi roubo, se foi atentado, se queriam nos prejudicar ou apenas eram "nóias" invadindo e roubando mais um prédio comercial da cidade, mas acreditamos que a Polícia Civil vai elucidar mais este crime em Marília", afirmou.

O Correio Mariliense circula desde setembro de 2007. Começou como semanário e, desde janeiro do ano passado, é diário. Pertence ao mesmo grupo que opera a TV Marilia, distribuidora de tevê a cabo, e adota o slogan de independência em relação aos grupos políticos da região.

Antecedentes. Não é a primeira vez que a imprensa de Marília vira notícia por crimes contra empresas de comunicação. Em 2005, houve um atentado contra a sede da Central Marília Notícias, que edita o jornal Diário de Marília e opera as rádios Dirceu AM e Diário FM.

O prédio da empresa foi invadido e incendiado por correligionários do ex-prefeito e hoje deputado Abelardo Camarinha (PSB-SP) em represália a reportagens críticas feitas pelos veículos. Vários dos envolvidos foram presos, julgados e condenados.

Para a polícia, as motivações políticas do crime cometido em 2005 eram mais claras que no de anteontem, embora essa hipótese também seja considerada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.