Bando mantém 22 reféns em assalto a empresa

Uma quadrilha de assaltantes, que pretendia roubarR$ 20 milhões da sede da empresa de transporte de valores Confederal, manteve 22 pessoas reféns entre a noite desta terça-feira e a madrugada desta quarta numa chácara nos arredores de Brasília. Os assaltantes, porém, acabaram fugindo sem conseguir executar o plano, depois de uma troca de tiros com a polícia.Os ladrões estão foragidos. Nenhum refém ficou ferido. Segundo o relato dos reféns, a quadrilha era composta por 20 assaltantes, fortementearmados com pistolas, fuzis e até granadas.O delegado Adival Cardoso de Mattos, que está cuidando do caso, disse que provavelmente se tratava de uma quadrilha de fora do Distrito Federal, agindo com apoio de pessoas da cidade.A ação começou no início da noite desta terça-feira, quando os assaltantes renderam o tesoureiro da empresa, Antônio Almeida, mais oito parentes dele em sua casa, na cidade-satélite de Ceilândia. Mais tarde, foi a vez do superintendente da Confederal, que não quis ser identificado, a filha, um amigo e um casal de vizinhos.Todos foram levados para uma chácara na cidade de Brazilândia, onde se encontravam outras oito pessoas, que também acabaram prisioneiras.O superintendente, em seguida, foi levado de volta à sua casa, para não despertarsuspeitas, já que recebia telefonemas constantes de funcionários da empresa.O plano era fazê-lo abrir o cofre na manhã seguinte. No caminho, os bandidos cruzaram comuma viatura da PM, que pediu que eles parassem. Houve troca de tiros, e os assaltantesfugiram de volta para a a chácara, onde abandonaram os reféns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.