Bangu 1 voltará a funcionar com bloqueador de celular

A penitenciária Bangu 1 voltará a funcionar após obras provocadas pela rebelião da semana passada já com bloqueadores de telefones celulares. O resultado da concorrência para escolher a empresa fornecedora do serviço saiu hoje, mas o nome do vencedor não será revelado por questões de segurança. Segundo o secretário de Justiça, Paulo Saboya, o governo federal ? que pagará 80% dos R$ 138 mil da instalação ? prometeu aumentar os recursos para estender o sistema para as outras quatro unidades penitenciárias do complexo de Bangu.Saboya contradisse o colega da Segurança Pública, Roberto Aguiar, que havia prometido entregar o presídio reformado em dez dias. De acordo com ele e o novo diretor-geral do Desipe (Departamento do Sistema Penitenciário), major PM Hugo Freire, ainda não há previsão para o fim das obras, ?que estão em ritmo acelerado?.Quando tudo for concluído, Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, e os outros quatro presos transferidos provisoriamente para o Batalhão de Choque da Polícia Militar, serão novamente levados para Bangu 1. O traficantes Elias Maluco, preso na quinta-feira acusado de matar o jornalista Tim Lopes, também deverá ser transferido para Bangu 1.A penitenciária passará a ser vigiada por 50 soldados recém-formados da PM ? que receberão curso intensivo de administração penitenciária ? e ?os dez melhores agentes do Desipe?. A idéia é que policiais novos sejam menos corruptíveis. Esse número é considerado pelo major Freire o ideal para vigiar Bangu 1, que tinha muito menos gente quando ocorreu o levante ? ele não precisou quantos eram os agentes responsáveis. ?Bangu 1 voltará a ser de segurança máxima?, disse Freire. Atualmente, apenas uma das quatro alas da prisão está funcionando e abriga 18 presos.O conserto do estrago promovido pelos amotinados foi calculado em cerca de R$ 700 mil. O complexo está ganhando pavimentação e nova iluminação, além de reparos em alguns dos presídios. O novo diretor do Desipe criou novas coordenadorias, para supervisionar os diretores dos presídios, e o cargo de prefeito do Complexo de Bangu, que será responsável pela manutenção das unidades e deixará mais livres os diretores para cuidar dos detentos.Para ele, o maior problema do departamento é ?de instrução, formação e capacitação dos agentes penitenciários?. Eles passarão a ser submetidos a treinamentos mais intensivos.O traficante Fernandinho Beira-Mar poderá voltar nesta sábado a receber visitas e a tomar banhos de sol diários, no Batalhão de Choque da PM, onde está sendo mantido desde a quinta-feira da semana passada. Ele vinha sendo punido havia dez dias por ter liderado a rebelião em Bangu 1, em 11 de setembro. Estava restrito a um banho de sol semanal e a visitas apenas dos advogados. A partir de sábado, só as visitas íntimas continuam vedadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.