Banhistas são atacados por piranhas em represa

Pelo menos 16 banhistas da região de Rio Claro foram atacados por peixes conhecidos como piranhas-da-lagoa, ou pirambebas, ontem, numa das prainhas da represa de Santa Cruz da Conceição, na região de São Carlos (SP). Não é a primeira vez que isso ocorre, e as autoridades locais se preocupam com o fato, pois o turismo é uma importante fonte de renda para o município. Ao longo da semana, um sistema de limpeza será usado para remover os pontos de desova das piranhas, que estão em fase de reprodução.Segundo o diretor do Departamento Municipal de Segurança, Trânsito e Defesa Civil e comandante da Guarda Civil local, Olivar José Carvalho, as piranhas depositam seus ovos em locais rasos, na areia da prainha, o que aumenta os riscos de ataques. Elas ficam próximas, para se alimentarem, e atacam as pessoas quando sentem que seus ovos correm risco. Segundo Carvalho, a pirambeba adulta pesa cerca de um quilo, mas cada uma ataca sozinha, mordendo os pés das pessoas, e não em cardumes."Esse problema começou há quatro anos, mas o sistema para tirar os ninhos do fundo da represa deu certo no ano passado", explicou Carvalho. Segundo ele, o sistema foi usado no sábado, mas não funcionou. Na prainha, existe um posto de atendimento, com enfermeira, ambulância e salva-vidas para o socorro de turistas. Já houve ataques em setembro e outubro de 2001. Há oito dias, cinco pessoas foram atacadas. "Estamos preocupados, pois a idéia é propagar o turismo", explica Carvalho. A cidade tem cerca de 4 mil habitantes e, com clima bom, recebe até 40 ônibus de excursões e mais de 1.000 carros num final de semana. "Isso incentiva o nosso comércio." Segundo Carvalho, existem placas no local alertando sobre as piranhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.